|
  • Bitcoin 110.508
  • Dólar 5,2393
  • Euro 5,5107
Londrina

Folha 2

m de leitura Atualizado em 15/06/2022, 09:58

Filo começa com uma irônica redescoberta do Novo Mundo

Espetáculo “A Descoberta das Américas” abre a programação do Filo 2022 com sessões nesta quarta (15) e quinta-feira (16)

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 15 de junho de 2022

Marcos Roman - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Maria Elisa Franco/ Divulgação
menu flutuante

Monólogo brasileiro que já foi encenado em oito países e que rendeu ao carioca Julio Adrião o cobiçado Prêmio Shell de melhor ator, “A Descoberta das Américas” dá largada à programação do Festival Internacional de Londrina – Filo 2022. A montagem será apresentada na quarta-feira, às 20h30, no Teatro Ouro Verde, logo após a cerimônia de abertura do evento que volta a ser realizado após um hiato de dois anos causado pela pandemia de Covid. A peça será reapresentada na quinta-feira (16), no mesmo horário. 

“A Descoberta das Américas” está em cartaz com sucesso de público há 17 anos. O espetáculo estreou em São Paulo em 2005 e desde então vem conquistando elogios e prêmios da crítica especializada, somando mais de 700 apresentações realizadas em diversos países. O texto da montagem é uma adaptação do clássico escrito pelo dramaturgo italiano Dario Fo, que foi traduzido por Julio Adrião e Alessandra Vannucci, responsável também pela direção do monólogo.  

LEIA MAIS:

Filo volta à cena em Londrina entre 15 e 26 de junho

Filo anuncia retomada em junho e abre inscrições para propostas de trabalho

Abusando da ironia, a montagem leva o público a uma inesperada reflexão sobre o período inicial da colonização do Novo Mundo. Sozinho em cena, Julio Adrião interpreta um Zé Ninguém chamado Johan. Rústico, malandro, fanfarrão e carismático, o personagem escapa da fogueira da inquisição e embarca, em Sevilha (Espanha), numa das caravelas de Cristóvão Colombo. A partir daí, ele se torna protagonista de uma história que vai além da versão oficial.  

Acossado por uma cruel economia da fome que o faz engenhoso, precisa sobreviver para narrar sua história. No Novo Mundo, o herói sobrevive a naufrágios, testemunha massacres, é preso, escravizado e quase devorado pelos canibais. Com o tempo, aprende a língua dos nativos, cativa-os e safa-se fazendo “milagres” com alguma técnica e uma boa dose de sorte. Venerado como filho do sol e da lua, catequiza e guia os nativos numa batalha de libertação contra os espanhóis invasores.   

"A Descoberta das Américas": monólogo rendeu a Julio Adrião o Prêmio Shell de melhor ator "A Descoberta das Américas": monólogo rendeu a Julio Adrião o Prêmio Shell de melhor ator
"A Descoberta das Américas": monólogo rendeu a Julio Adrião o Prêmio Shell de melhor ator |  Foto: Maria Elisa Franco/ Divulgação
 

A montagem aposta na simplicidade, mas também na sofisticação, lançando mão apenas dos recursos cênicos indispensáveis, num registro de interpretação enérgico e dinâmico, que estabelece uma comunicação direta e próxima ao público. Um ator só em cena, sem cenário, com figurino e iluminação reduzidos ao mínimo, atuando num estado essencial, de emergência. 

Além do herói protagonista, Julio Adrião também encarna outros personagens – índios, espanhóis, cavalos, galinhas, peixes, até Jesus e Madalena. Dessa forma, cria com os espectadores um código gestual, mímico e sonoro, estabelecendo um pacto de cumplicidade com o espectador. Pela atuação em “A Descoberta das Américas”, o carioca foi contemplado com o Prêmio Shell de melhor ator em 2005.  

Julio Adrião é carioca, ator, produtor e diretor teatral. Formado pela CAL/RJ em 1987, trabalhou seis anos na Itália com foco no treinamento físico do ator, nas companhias Teatro Potlach, de Fara Sabina, Abraxa Teatro e Qabaloquá, ambas de Roma. De volta ao Brasil em 1994, criou e integrou o trio cômico Cia. do Público até 2002. Produziu e dirigiu espetáculos de teatro e, como ator, participou de diversas produções, em curtas e longas-metragens, no cinema e séries na TV.  

Em 2021, dividiu com o ator Vertin Moura o troféu Conceição Moura, do VI Cine Jardim/PE, pela atuação no longa Sertânia, de Geraldo Sarno. No Teatro trabalhou com os diretores Moacyr Góes, Fábio Junqueira e Bia Lessa, dentre outros. Dirigiu 'Roda saia, gira vida' com o Teatro de Anônimo e outros espetáculos.  

Serviço: 

Abertura do Filo 2022 - “A Descoberta da Américas”, com Julio Adrião (RJ) 

Quando – Quarta (15) e quinta-feira (16), às 20h30 

Onde - Cine Teatro Ouro Verde (Rua Maranhão, 85) 

Quanto - R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia-entrada) 

Ponto de venda - Plataforma Sympla: (www.sympla.com.br/filo2022) 

. .
. |  Foto: Folha Arte: Gustavo Padial