|
  • Bitcoin 125.542
  • Dólar 5,0680
  • Euro 5,2496
Londrina

Folha 2

m de leitura Atualizado em 04/03/2022, 16:26

Filme sobre Gal Costa narra a tropicália com corpo e voz

Cinebiografia da cantora será lançada em 2023 e tem a atriz Sophie Charlotte no papel de Gal; filme discute a estética do tropicalismo

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 04 de março de 2022

Lucas Brêda/ Folhapress
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Sâo Paulo - "A gente é brasileiro, nossa voz é brasileira, mas o movimento não tem que ser limitado", diz Caetano Veloso, dividindo um sofá com Gilberto Gil num clube noturno de bossa nova no Rio de Janeiro, pelos idos de 1967. Eles discutem com o produtor Guilherme Araújo e o designer Rogério Duarte o que viria a ser a tropicália. Em certa altura, com um copo de uísque na mão e ao lado de Dedé Gadelha, então mulher de Caetano, Gal Costa dá um pitaco. "Eu adoro Chacrinha!"

Gravada no edifício Itália, em pleno centro de São Paulo, a cena - presente no filme "Meu Nome é Gal", cinebiografia da cantora prevista para o ano que vem - retrata um debate estético que serviria como gênese de um dos movimentos culturais mais importantes da música brasileira. Mas a verdade é que, naquela ocasião, Caetano e Duarte só estavam discutindo como seria o novo repertório de Gal Costa.

"A tropicália veio muito de um desejo deles de fazer um projeto novo para a Gal e daí achar um repertório novo para ela", diz Dandara Ferreira, que, além de intérprete de Maria Bethânia, divide a direção do filme com Lô Politi. "E o que está alimentando eles são essas referências, a Banda de Pífanos de Caruaru, o Chacrinha, os Beatles, o que está acontecendo mundialmente."

Mesmo que ancorado na história de Gal Costa, "Meu Nome É Gal" acompanha a cantora a partir do momento em que ela troca a Bahia pelo Rio de Janeiro e depois por São Paulo, no fim dos anos 1960, até o começo da década seguinte, quando Caetano e Gil são presos e acabam exilados na Europa. É a história da tropicália, mas a partir do olhar de sua intérprete mais magnética - e também a mais reservada.

"O Caetano, por exemplo, tem uma história com uma dramaturgia nata da vida dele, porque é um drama, acontece muita coisa. E o nosso desafio era como contar a história de uma mulher que mudou a história da música pelo corpo, pela atitude e pela voz, e não pelo intelecto. Como é que uma menina tímida, mas que tem uma voz absurda, se encaixa nesse lugar? É por causa da percepção dela, por ela ser esse radar e mudar tudo com atitude", diz Politi, que também assina o roteiro da produção.

A ideia do filme sobre Gal Costa veio depois que Ferreira dirigiu a série documental "O Nome Dela É Gal", sobre a cantora, na HBO Max, e um encontro da cineasta com a artista. "A gente acabou criando uma relação além da amizade, de confiança. E dali surgiu o interesse de fazer uma obra de ficção." Até o filme começar a ser rodado, nas últimas semanas, cinco anos se passaram até que o projeto amadurecesse.

LEIA MAIS

Gal lança duetos com cantores de várias gerações

No filme, Gal é vivida por Sophie Charlotte, que canta ao vivo - assim como os outros atores - a maioria das músicas no filme, e teve a bênção da própria tropicalista. "Quando falei para a Gal que estava pensando na Sophie, ela disse 'ela chega muito próxima do meu timbre, do meu jeito de cantar", diz Ferreira, lembrando quando a atriz cantou "Sua Estupidez", gravada por Gal, com Roberto Carlos num especial de fim de ano.

"A obra dela é muito importante na minha vida. Quando a Dandara me ligou, imagina, minha vida é antes e depois dessa ligação", diz Charlotte, que está envolvida no projeto desde o começo e considera fundamental o tempo de desenvolvimento do filme. Ela também tem conversado com Gal, mas com uma certa distância. "Ela não tem se metido, está respeitando bastante."

A conexão do elenco é uma das armas do filme, que é o primeiro de ficção a retratar esses personagens históricos da cultura brasileira. Caetano é vivido por Rodrigo Lelis, baiano que estudou no Teatro Vila Velha - por onde já passaram alguns dos tropicalistas - e quem mais tem semelhanças físicas com seu personagem da vida real, ao ponto de ter sido confundido por desavisados nas ruas.

"Não tenho tentado internalizar exatamente o Caetano na minha vida", diz o ator, que até três meses antes das filmagens, não sabia tocar violão. "Tento trazer coisas, gestuais, formas de me comportar no meu dia a dia para, quando chegar a uma cena, estar de alguma forma natural. Então essa coisa de deixar o cabelo crescer, partir o cabelo e ser confundido com Caetano vem desse meu processo de ator. Estou tentando trazer esse Caetano para mim - que na verdade não é Caetano, sou eu fazendo ele."

Gilberto Gil é vivido por Dan Ferreira, que já encarnou o jovem Pixinguinha no filme sobre o músico e atuou como um policial na novela "Amor de Mãe". "Todo mundo acha que ele é o que menos parece fisicamente, mas o Dan traz elementos que torna irrelevante se parece o Gil ou não", diz Ferreira. "Tem momentos que a gente pensa que vai ser o 'Gil do Dan'. Mas aí, de repente, é o Gil mesmo. É um ator que entrega num nível que, quando vem o Gil, você acredita nisso o tempo inteiro", acrescenta Politti.

A intérprete de Maria Bethânia, a própria diretora Dandara Ferreira, foi uma das últimas a assumir o papel. "Não dá para fazer um filme da Gal sem a Bethânia, embora no nosso recorte ela não estivesse tão próxima musicalmente. É um grupo", diz ela, que conheceu Rodrigo Lelis atuando com ele no Teatro Vila Velha.

"A gente tinha o receio de como colocar a Bethânia no filme, de manter o mistério, mas ao mesmo tempo com uma relação muito forte com a Gal. Topei entrar nisso muito como uma homenagem. Foi um truque para me eternizar como um amor da Gal."

...

Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1