|
  • Bitcoin 120.942
  • Dólar 5,0849
  • Euro 5,2378
Londrina

O CINÉFILO FIEL

m de leitura Atualizado em 13/07/2022, 18:36

Crianças e adultos buscam se entender em 'Sempre em Frente'

Disponível no streaming, filme com Joaquin Phoenix é considerado uma das boas produções do ano

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 13 de julho de 2022

Carlos Eduardo Lourenço Jorge/ Especial para a FOLHA
AUTOR autor do artigo

Foto: Divulgação
menu flutuante

Disponível somente em streaming, “Sempre em Frente” é um estudo geracional sensível sobre personagens tentando conviver num contexto de incerteza geral. Os exibidores locais perderam a oportunidade na hora do relaxamento da pandemia  de exibir o filme - agora indisponível nas salas - os caminhos no momento são Amazon, Apple, Google Play ou Youtube.

É um dos filmes do ano, este “Sempre em Frente” (a opção generalizada para a tradução de “C’amon, C’amon”/Vamos, Vamos). Além do tema existencial tratado com muita perspicácia e carinho, oferece dois trunfos que ainda elevam a obra à condição exemplar de excelência cinematográfica.

LEIA MAIS

Canal Curta! On exibe especial no Dia Mundial do Rock

Um homem que nunca cuidou de ninguém deve cuidar de uma criança tão brilhante quanto problemática. A ideia não parece exatamente inovadora à primeira vista, mas o diretor Mike Mills e seu elenco a transformam em uma experiência repleta de sensibilidade, inteligência e profundidade psicológica. Joaquin Phoenix é Johnny, o jornalista investigativo que faz matérias de rádio e está montando uma pesquisa - reportagem sobre como crianças de diferentes partes dos Estados Unidos veem o mundo

e seu futuro.

Sua irmã Viv (Gaby Hoffmann, ótima) pede sua ajuda porque o marido (Scoot McNairy) está passando por profundo colapso nervoso e ela não tem com quem deixar seu filho de nove anos Jesse (o jovem inglês Woody Norma, páreo à altura de Phoenix). Apesar de ser um tipo frio e distante até então, Johnny irá de Detroit para Los Angeles e logo irá com o sobrinho para Nova York e depois para Nova Orleans. Nessas viagens e lugares, o garoto vai aos poucos se aproximando daquele adulto que tenta acompanhá-lo da melhor maneira possível em seu difícil transe familiar e também ficará fascinado com a atmosfera das gravações de áudio (os depoimentos de meninos e meninas).

...

Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link

Esta é a aventura que Mills conta em seus 110 minutos simples, mas emocionalmente poderosos. Filmado com austeridade e despojamento em belo e expressivo preto e branco por Robbie Ryan, em locações urbanas de Detroit, Nova York, Los Angeles e

Nova Orleans, “Sempre em Frente” combina a história deste tio e sobrinho lidando com problemas práticos e pessoais com material documental que emerge de entrevistas que Johnny faz para seu especial de rádio. Jesse o acompanha nesses deslocamentos (ele carrega o equipamento de som e gosta de capturar a atmosfera), mas a relação entre eles se torna tensa, rarefeita e, às vezes, problemática.

Delineiam-se duas identidades nas quais convergem medos passados ​​e uma visão otimista, abordando a natureza das

relações consangüíneas contemporâneas. O ótimo roteiro do proprio diretor Mills enfatiza as emoções da dupla protagonista

através, fundamentalmente, da palavra falada. O resultado é um estudo muito sensível sobre a relação entre crianças e adultos num contexto de incerteza geral onde os medos, preocupações e sonhos uns dos outros são, na essência, idênticos. O filme parece dar um impulso à tendência, tão banal quanto irreal, que coloca os dois níveis geracionais como pólos opostos destinados a simplesmente tolerar um ao outro até que a mudança biológica ocorra.

A figura ambivalente do tio, desvinculada da hierarquia pai-filho, ajuda a refletir aquela camaradagem que Mills acredita não apenas possível, mas também desejável.

É ainda o filme perfeito para Phoenix, depois de seu Coringa com aquele brilho destrambelhado. Aqui, seu Johnny é um cara com emotividade e sensibilidade muito particulares que ele constrói com convicção e sem regozijo. Assim, um filme que tinha tudo para cair na manipulação e na demagogia é belo retrato de uma relação entre duas almas em sofrimento que procuram novas oportunidades. Emotivo, agridoce, honesto, às vezes engraçado. Mas sem jamais perder a ternura.