|
  • Bitcoin 121.259
  • Dólar 5,0515
  • Euro 5,2137
Londrina

Esporte

m de leitura Atualizado em 18/07/2022, 00:03

O dia em que PVC conheceu Garcia O dia que PVC conheceu Garcia

Livro sobre o Bem-Amado mexeu com as memórias de infância do comentarista, que viu ao vivo o LEC de 77 brilhar

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 18 de julho de 2022

Julio Oliveira
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

O lançamento do livro de Carlos Alberto Garcia me gerou algumas demandas e executadas com prazer. Uma delas foi entregar a Paulo Vinícius Coelho, comentarista do Sportv, um dos exemplares. E não foi difícil, obviamente. 

Imagem ilustrativa da imagem O dia em que PVC conheceu Garcia
O dia que PVC conheceu Garcia Imagem ilustrativa da imagem O dia em que PVC conheceu Garcia
O dia que PVC conheceu Garcia
|  Foto: Divulgação
 

PVC, como é conhecido, é uma das pessoas mais inteligentes no meio esportivo. Dedicado, estudioso e apaixonado por futebol. A generosidade dele o torna ainda mais imprescindível num meio tão competitivo. E a facilidade em puxar pela memória o que ninguém pode imaginar, então, o classifica como único ao contar histórias.

LEIA TAMBÉM: 

Garcia de peito aberto
O peso de um ídolo

Estávamos numa segunda-feira no camarim antes da transmissão de Operário x Chapecoense, pela Série B, e o entreguei “O Bem-Amado”. De início ficou surpreso por ser lembrado e depois feliz pelas dedicatórias de Garcia e autores. Mas não seria PVC se não tivesse uma história pra contar. 

Primeiro relembrou a campanha do LEC na terceira fase do Brasileiro de 1977, que terminou em 1978 e os jogos que o levaram às semifinais. Depois disse que tinha uma lembrança especial em sua infância relacionada ao Londrina. O confronto com o Santos, no Pacaembu, por aquele Brasileiro, foi a segunda vez que ele tinha ido a um estádio de futebol. Relembrou detalhes da tarde/noite com mais de 40 mil pessoas no estádio, citando vários jogadores do time alviceleste, o técnico Armando Renganeschi e a escalação daquele Santos que tinha Juary, Aílton Lira e Nelsinho Baptista, entre outros. 

O menino de oito anos, que ainda não sabia que o futebol seria a sua vida, olhava para um Pacaembu e suas peculiaridades com enorme atenção que a memória já se acostumava a registrar a história. E no seu segundo capítulo da relação com o futebol estava o Tubarão. Ficou emocionado porque o livro relembrou sua infância e um momento único. Ficou emocionado.

Depois da nossa transmissão, ainda não se sentindo realmente agradecido pela lembrança, disse: “vai ser minha próxima leitura”. Me abraçou, me deu um beijo no rosto e se foi. 

É assim que os momentos se perpetuam. Livros e pessoas. Vidas e histórias. 

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.