|
  • Bitcoin 102.803
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Clube-empresa

m de leitura Atualizado em 17/01/2022, 18:45

LEC encerra negociação com investidores, mas deve se tornar uma SAF

Apesar de ter sua contraproposta aceita, Sérgio Malucelli desistiu de vender o CT e repassar o comando do futebol alviceleste

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 17 de janeiro de 2022

Lucio Flávio Cruz - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

O presidente do Londrina, Felipe Prochet, confirmou que as negociações com um grupo de investidores interessado em assumir o futebol do clube estão encerradas. Apesar dos valores oferecidos atingirem o patamar exigido pelo gestor Sérgio Malucelli, o empresário preferiu não dar sequência no negócio. 

Presidente Felipe Prochet e o gestor Sérgio Malucelli, que desistiu da negociação com um grupo de investidores Presidente Felipe Prochet e o gestor Sérgio Malucelli, que desistiu da negociação com um grupo de investidores
Presidente Felipe Prochet e o gestor Sérgio Malucelli, que desistiu da negociação com um grupo de investidores |  Foto: Jefferson Bachega/LEC
  

O grupo compraria o CT da SM Sports, ficaria com todos os jogadores que pertencem à empresa e faria investimentos no futebol na casa de milhões de reais, com o objetivo de levar o LEC para a Séria A em dois anos. 

"Houve uma proposta inicial e uma contraproposta. E os valores chegaram naquilo que o Sérgio (Malucelli) havia pedido. As conversas evoluíram a ponto de haver troca de contratos entre as partes, mas na semana passada o Sérgio decidiu não realizar o negócio", afirmou Felipe Prochet, em entrevista a rádio Paiquerê 91,7, sem mencionar os valores propostos. 

O grupo é formado por investidores brasileiros e de fora do país e as negociações começaram há 11 meses. Marco Aurélio Cunha, ex-superintendente de futebol do São Paulo, Santos e Coritiba, seria o representante dos empresários no LEC. 

De acordo com Prochet, caso houvesse o aval do gestor alviceleste o negócio ainda demoraria alguns meses para ser concretizado, já que seria feito todo um levantamento das questões fiscais e trabalhistas do Londrina e da SM Sports. 

"Acredito que o Sérgio entendeu que realizar esta transição em meio às competições poderia atrapalhar o desempenho da equipe", apontou o presidente. "Não saio decepcionado, mas um pouco desapontado. Foi um trabalho de construção durante 11 meses e alguns conselheiros conheceram os representantes. São investidores que certamente vão procurar outros clubes e nós poderíamos estar trazendo estes recursos para o Londrina, mas que infelizmente neste momento não vai se realizar". 

Apesar do fracasso nesta negociação, Felipe Prochet confirmou que o LEC vai continuar no processo para se transformar em SAF (Sociedade Anônima do Futebol) e que uma assembleia geral será convocada em breve para aprovar ou não a mudança no clube. "Acredito que é um caminho sem volta e a única solução para clubes endividados. No nosso caso, que não tem conta para pagar, todo o investimento que chegar vai para o futebol. Existe um potencial enorme e contínuo de crescimento a curto prazo", frisou. 

Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link