|
  • Bitcoin 102.844
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Economia

m de leitura Atualizado em 14/06/2022, 18:34

Setor de serviços acumula alta de 9,5% em 2022

IBGE aponta que setor variou 0,2% em abril e está 7,2% acima do nível pré-pandemia de fevereiro de 2020

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 14 de junho de 2022

Agência IBGE Notícias
AUTOR autor do artigo

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
menu flutuante

O volume do setor de serviços variou 0,2% em abril, acumulando alta de 9,5% em 2022 na comparação com o mesmo período de 2021. Com esse resultado, o setor está 7,2% acima do nível pré-pandemia, de fevereiro de 2020. Já as atividades de transporte de passageiros cresceram 2,3% em abril, chegando a 0,1% acima do nível de fevereiro de 2020. Os dados, divulgados nesta terça-feira (14) pelo IBGE, são da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS).

“Depois de dois anos e dois meses, o transporte de passageiros superou pela primeira vez o patamar pré-pandemia, ratificando, assim, a maior mobilidade da população, refletida no aumento das receitas das empresas que operam os transportes de passageiros nos seus diversos modais: aéreo, rodoviário e metroferroviário”, destaca o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo. A atividade acumula um ganho de 27,7% entre novembro de 2021 e abril de 2022.

Em abril, a variação positiva no setor de serviços foi concentrada em duas das cinco atividades investigadas na pesquisa. Em informação e comunicação (0,7%), o destaque continua sendo das atividades de tecnologia da informação, que atingiram o ponto mais alto da série histórica da PMS. “Durante o auge do isolamento por conta da pandemia, houve uma alta demanda desses serviços e esse movimento perdura até os dias atuais, com as empresas continuando a demandar serviços como o de desenvolvimento de softwares, de aplicitivos de videoconferência ou de marketing digital”, explica Lobo.

Já em serviços prestados às famílias (1,9%), a maior influência ficou a cargo dos serviços de alojamento e alimentação. “É um resultado que vem na esteira da continuidade do processo da retomada dos serviços de caráter presencial, notadamente, os bares e restaurantes”, detalha o gerente da pesquisa.

Em contrapartida, transportes (-1,7%), serviços profissionais, administrativos e complementares (-0,6%), e outros serviços (-1,6%) recuaram em abril. Os dois primeiros interromperam uma sequência de cinco taxas positivas seguidas, enquanto o último, com a retração, eliminou o avanço de 1,4% de março.

Leia mais: https://www.folhadelondrina.com.br/economia/nivel-de-endividamento-cresce-mas-cai-taxa-de-inadimplencia-3206826e.html

No confronto com abril de 2021, o volume de serviços cresceu 9,4%, marcando a 14ª taxa positiva consecutiva. Houve alta em quatro das cinco atividades e crescimento em 64,5% dos 166 tipos de serviços investigados na PMS. Destaque para o setor de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (15,5%) e o de serviços prestados às famílias (60,8%), que exerceram as principais influências positivas. A única taxa negativa do mês ficou com o setor de outros serviços (-7,7%).

O acumulado do primeiro quadrimestre de 2022 foi de 9,5%, com taxa positiva em quatro das cinco atividades e alta em 66,9% dos 166 tipos de serviços pesquisados. Entre os setores, destaque para transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (15,6%). Serviços prestados às famílias (37,3%); profissionais, administrativos e complementares (8,1%); e informação e comunicação (3,2%) foram as demais altas. Apenas o setor de outros serviços (-3,8%) registrou taxa negativa. Já no acumulado nos últimos 12 meses, o índice chegou a 12,8%.

ESTADOS

Na passagem de março para abril, apenas 12 das 27 unidades da Federação acompanharam o movimento de variação positiva. O impacto positivo mais relevante foi do Rio de Janeiro (1,0%). Para Lobo, o carnaval fora de época que aconteceu no mês de abril pode ter contribuído para o crescimento do setor no estado fluminense. Outros destaques locais foram Espírito Santo (3,6%), Rio Grande do Norte (7,9%) e Ceará (2,4%). No lado das quedas, exerceram as principais influências negativas São Paulo (-0,5%), Minas Gerais (-2,8%), Distrito Federal (-8,2%) e Rio Grande do Sul (-2,8%).

Na comparação com abril de 2021, houve crescimento em 24 das 27 UFs, destaque para São Paulo (9,9%), Minas Gerais (14,2%), Rio Grande do Sul (16,8%) e Rio de Janeiro (4,3%). Já no acumulado do primeiro quadrimestre de 2022, 26 das 27 UFs mostraram expansão, com as taxas de São Paulo (11,0%), Minas Gerais (11,2%), Rio Grande do Sul (16,3%) e Bahia (14,2%) em destaque. Apenas Rondônia (-1,5%) registrou queda.

O índice de atividades turísticas cresceu 2,5% em abril, acumulando crescimento de 51,3% no ano. Porém, o segmento de turismo ainda se encontra 3,4% abaixo do patamar de fevereiro de 2020. Todos os 12 locais pesquisados pela PMS apresentaram crescimento na atividade, puxando o ranking o Rio de Janeiro (4,8%), seguido por Minas Gerais (4,6%), Bahia (6,8%) e Paraná (7,4%).

Já o volume do transporte de cargas apontou ligeiro decréscimo de 0,1% em abril de 2022, após alta de 11,1% acumulada entre outubro de 2021 e março de 2022. Mesmo assim, o segmento continua operando muito próximo (-0,1% abaixo) do ponto mais alto de sua série, alcançado em março de 2022. Com relação ao nível pré-pandemia, o transporte de cargas está 23,1% acima de fevereiro de 2020.

Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1