|
  • Bitcoin 122.998
  • Dólar 5,0741
  • Euro 5,2058
Londrina

Economia

m de leitura Atualizado em 01/03/2022, 19:24

Greve do ônibus e chuva 'espantam' consumidores do centro

Lojas foram autorizadas a abrir em Londrina neste carnaval, algo inédito em 50 anos do comércio da cidade

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 01 de março de 2022

Rafael Machado - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Gustavo Carneiro - Grupo Folha
menu flutuante

Mesmo com as lojas abertas nesta terça-feira de carnaval após decisão favorável do STF (Supremo Tribunal Federal), os comerciantes do calçadão tiveram que lidar com a frustração. A expectativa de aquecimento nas vendas foi frustrada com a greve dos trabalhadores do transporte coletivo e também a forte chuva que caiu sob Londrina. 

Imagem ilustrativa da imagem Greve do ônibus e chuva 'espantam' consumidores do centro Imagem ilustrativa da imagem Greve do ônibus e chuva 'espantam' consumidores do centro
|  Foto: Gustavo Carneiro - Grupo Folha
 

Para o presidente do Sincoval (Sindicato do Comércio Varejista de Londrina e Região), Ovhanes Gava, esses foram os fatores que afugentaram os consumidores da área central. Não foi o cenário visto na segunda-feira, quando os ônibus estavam circulando, mesmo com a ameaça de uma paralisação. "Tinha bastante gente no centro, muitas inclusive consumindo", explicou.

A decisão do STF não obriga os empresários a abrir as lojas, apenas libera o funcionamento. Segundo o Sincoval, o entendimento da Corte é que esta regra perdure em Londrina para os próximos anos no período de carnaval. 

LEIA TAMBÉM:
Trabalhadores do transporte coletivo cruzam os braços em Londrina

Justiça nega pedido das empresas para pôr fim à greve

A FOLHA circulou pela região do calçadão e encontrou um cenário tipicamente desértico. Muitas lojas fechadas nas principais vias comerciais, como a Rua Sergipe e a Avenida Paraná, além de quase nenhum comprador. 

Como o comércio de rua de Londrina, em 50 anos de funcionamento, abriu pela primeira vez no carnaval, Gava procurou demonstrar otimismo. "Estamos com a greve vigente, mas observamos fenômenos diferentes em outras regiões da cidade. Na zona norte, por exemplo, não houve um impacto grande. É claro que teve queda, mas nada comparado ao que o centro sofreu", expôs. 

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.