|
  • Bitcoin 151.337
  • Dólar 5,0617
  • Euro 5,2630
Londrina

Economia

m de leitura Atualizado em 03/05/2022, 18:43

Atraso na Cidade Industrial não impede avanços, diz Ubiratan

Presidente da Codel cita amarras contratuais do empreendimento, mas afirma que cidade vive expansão industrial acelerada

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 03 de maio de 2022

Celso Felizardo - Editor
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

O presidente da Codel (Instituto de Desenvolvimento de Londrina), Bruno Ubiratan, avalia que o atraso nas obras da Cidade Industrial causado pelo descumprimento do contrato por parte da empresa vencedora da licitação não pode ser considerado um fator determinante para se analisar o atual cenário de industrialização em Londrina.

Imagem ilustrativa da imagem Atraso na Cidade Industrial não impede avanços, diz Ubiratan Imagem ilustrativa da imagem Atraso na Cidade Industrial não impede avanços, diz Ubiratan
|  Foto: Vivian Honorato/N.com
  

Ao comentar a análise feita pelo economista Marcos Rambalducci, em reportagem publicada pela FOLHA na edição da última segunda-feira (2), de que a cidade sofre com a desindustrialização ao longo das últimas duas décadas, Ubiratan pontuou que o panorama atual difere daquele encontrado no passado recente.

“Ao longo do tempo a gente só ouvia falar que Londrina perdia indústria, que estavam todas indo para cidades vizinhas. Hoje o cenário é diferente. Temos um trabalho muito forte voltado para que Londrina não seja apenas prestadora de serviços, mas que seja industrializada, tecnológica, inovadora, e com potencial turístico. Esses são os três pilares que a gente trabalha aqui”, argumenta.

Na lista de atração de empresas, Ubiratan cita a planta industrial da Rizobacter, a unidade da BRF, a J.Macêdo, o centro de distribuição do Magazine Luiza, além das ampliações da Atlas Schindler e da TCS (Tata). “São investimentos milionários, com geração ampla de empregos que não podem ser ignorados”, pontua.

Sobre os dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) que mostram Londrina no azul no saldo de empregos no último ano, mas com queda nos postos de trabalho da indústria, Ubiratan expõe que o término do contrato da empresa responsável pela coleta de lixo na cidade acabou por impactar os números. “Apesar de não ser uma indústria, efetivamente, a CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) deles está assim registrada e isso causou essa redução nos números do setor no município”, explica.

Ubiratan está confiante que um novo edital da Cidade Industrial seja aberto ainda no primeiro semestre. “É um projeto conceitual muito importante para a cidade e que, infelizmente, sofre com o atraso por questões legais, externas, em que o município não pode pular etapas”, comenta. Segundo o presidente da Codel, a prefeitura conseguiu a quebra de contrato com a construtora após comprovar atrasos no cronograma - apenas 5% da obra foram entregues - além da terceirização da mão de obra. 

“Quebramos o contrato dentro da legalidade, e é uma coisa que demora. Não falta dinheiro para a obra, mas temos que nos submeter às regras de licitação. Estamos quebrando o primeiro contrato com o ParanaCidade para entrar com a segunda licitação. O dinheiro da operação de crédito está em caixa, a contrapartida da prefeitura também, mas infelizmente existem as amarras com os prazos que somos obrigados a seguir”, detalha.

O planejamento para o setor prevê dois pólos industriais principais em Londrina, o primeiro no entorno da Cidade Industrial, na zona norte, e o outro às margens da PR-445, entre Londrina e Irerê, na zona sul. Segundo Ubiratan, o Plano Diretor do município prevê a criação de um complexo industrial no trecho de 7 quilômetros da avenida Saul Elkind, entre o Jardim São Jorge e a PR-445, hoje uma região de chácaras. “Temos um projeto pronto para a duplicação deste trecho da avenida, o que facilitaria o acesso aos caminhões”, conta.

Já na zona sul, a grande expectativa é com a conclusão das obras de duplicação da PR-445. “É o que falta para colocar Londrina definitivamente na rota das cidades mais atrativas do país. Somos uma cidade muito privilegiada na questão de logística, por estar em uma região estratégica. Temos uma promessa que nos próximos anos esse gargalo será solucionado”.

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.