Assine e navegue sem anúncios [+]

Alimentos ficam 3,3% mais caros em Londrina no mês de abril

Seis dos treze itens tiveram alta de preços, mas carne vermelha permanece a vilá da inflação

Luis Fernando Wiltemburg - Grupo Folha
Luis Fernando Wiltemburg - Grupo Folha

 

Alimentos ficam 3,3% mais caros em Londrina no mês de abril
Arquivo FOLHA
 


O preço dos alimentos que compõem a cesta básica tiveram inflação de 3,3% nos supermercados de Londrina no mês de abril, segundo levantamento mensal do Nupea (Núcleo de Pesquisa Econômicas Aplicadas) divulgado nesta sexta-feira (30). Dos 13 produtos cotados, seis tiveram alta, quatro se mantiveram estáveis e três apresentaram queda nos preços, mas o maior vilão segue sendo a carne vermelha.


O custo médio da cesta básica em Londrina, em abril, para uma pessoa, foi de R$ 485,62, contra R$ 469,94 em março. Ao levar em conta uma família de quatro pessoas – dois adultos e duas crianças -, o valor total chega a R$ 1.456,86 – ou seja, mais alto que um salário mínimo nacional, atualmente em pouco mais de R$ 1,1 mil.


Em comparação com o mês de maio de 2020, a inflação da cesta básica em Londrina chega a 22%. Entretanto, a alta acumulada nos últimos 12 meses (maio de 2020 a abril de 2021) chega a 16,9%.


Dos 13 itens que compõem a cesta, tiveram inflação o tomate (26,6%), a batata (9,1%), a banana (5,7%), o café (4,9%), a carne (2,3%) e a farinha (1,9%). Apresentaram deflação (ou seja, preços menores que o mês anterior) o feijão (-3,2%), o leite (3,4%) e o arroz (-5,1%). São considerados estáveis o óleo (0,7%), a margarina (0,2%), o pão (0%) e o açúcar (-0,7%) porque a variação abaixo de 1% é insignificante.


Já a carne, apesar de ser o quinto item com maior inflação, é considerada a vilã devido ao comprometimento que o preço tem no valor final da cesta, chegando a 48,2% dos gastos com alimentação. Os pesquisadores do Nupea encontraram o coxão mole – que é tomado como referência por ser a carne de primeira mais em conta – por R$ 35,45% em média, variando de R$ 29,90 a R$ 42,39, dependendo do estabelecimento.


"A carne sempre tende a acompanhar os preços e essa elevação de março parece pequena. Mas, se somarmos os aumentos ao longo dos meses, percebemos que o consumidor está pagando muito acima da média do que estava acostumado. Há 14 meses, o mesmo corte podia ser encontrado por R$ 15,50 o quilo”, explica o coordenador do Nupea, o economista Marcos Rambalducci.


A escalada dos preços começou no último trimestre de 2019, quando a China aumentou a importação da carne vermelha após exterminar seus rebanhos suínos, em consequência do novo coronavírus.


O crescimento da demanda – que também ocorre em outros países que já se recuperam da pandemia – inflacionou os preços, mas Rambalducci avalia que isso não se reflete, necessariamente, em ganhos altos para o produtor, que também está pagando mais caro nos insumos para a manutenção dos rebanhos bovinos, que são cotados em dólar.


COMPROMETIMENTO DA RENDA


A inflação da cesta básica é levantada pelo núcleo de pesquisas pertencente à UTFPR (Universidade Tecnológica Federal do Paraná) mensalmente em onze supermercados de Londrina. O custo médio leva em conta a ponderação dos preços pesquisados em todos os estabelecimentos. Porém, se o consumidor se dispusesse a comprar os itens mais baratos em todos os supermercados, gastaria, R$ 374,06, um valor 23% mais barato.


Em um cenário mais realista, o consumir que optar pelo estabelecimento com a cesta básica mais barata vai pagar R$ 426,77, um valor 12% mais barato que o custo médio. Por outro lado, quem fizer as compras no supermercado mais caro vai desembolsar R$ 582,07, um valor 20% acima do custo médio.


O levantamento do Nupea também faz um comparativo de quantas horas de trabalho são necessárias por mês para adquirir uma cesta básica em Londrina.


Quem é remunerado com base no salário mínimo nacional (R$ 1.101,95 mil), acaba comprometendo uma parte da renda equivalente a 97 horas de trabalho. Isso significa que a compra dos alimentos comprometeu 44,1% do esforço do trabalhador no mês de abril, tomando como base uma jornada de trabalho de 220 horas mensais.


Para quem é remunerado com salário mínimo paranaense (R$ 1.467,40), precisou empregar os ganhos equivalentes a 72,8 horas de trabalho no mês (33,1%).


O economista Marcos Rambalducci ressalta que a inflação dos alimentos penaliza principalmente os mais pobres, porque a maior parte do salário é investido na compra de alimentos. A inflação de alimentos prejudica outros setores da economia, porque são itens de primeira necessidade e sobram poucos recursos para outros gastos, como roupas e sapatos, por exemplo.


"Quem ganha R$ 10 mil por mês e gasta R$ 2 mil em alimentação, comprometeu apenas 20% da renda. Mas, quem ganha salário mínimo, o comprometimento com alimentação chega a 70% da renda. Para comprar mais comida, o consumidor vai deixar de gastar com outros itens, prejudicando o comércio como um todo”, explica o professor.

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito
Assine e navegue sem anúncios [+]

Últimas notícias

Assine e navegue sem anúncios [+]

Continue lendo