|
  • Bitcoin 101.814
  • Dólar 5,1827
  • Euro 5,4120
Londrina

Luiz Geraldo Mazza

m de leitura Atualizado em 27/05/2022, 19:21

Pesquisas, a variedade

Diferenças metodológicas podem mudar rumos das avaliações

PUBLICAÇÃO
sábado, 28 de maio de 2022

Luiz Geraldo Mazza
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Depois da pesquisa Datafolha que deu vitória de Lula no primeiro turno (48 a 27), tivemos pouco antes a da Modalmais, que havia registrado 41 a 36 e em seguida a do Ipespe, com 45 a 35. Bolsonaristas explicaram que se trata do reflexo da economia. Sabe-se que a Datafolha é mais sofisticada pela abrangência de detalhes da faixas etárias, de renda, religião, mas sujeitas também, como se deu na história do Ibope, a falhas. Como a prioridade do TSE é o combate a fake news, tem que evitar que a suspeita sobre as urnas eletrônicas se estenda às pesquisas. Diferenças metodológicas podem mudar rumos das avaliações, e se é desejável que se mantenham as amostragens como se dá na vida civilizada, deve-se lutar para que não ocorra o que já houve aqui no Paraná, com sua supressão por interesse do candidato vencedor e que não se estenda a interdição ao debate, questão chave na competição. 

Floyd brasileiro 

A morte de Genivaldo Jesus dos Santos está sendo comparada ao caso do Floyd americano, só que com tempero mais terrorista: asfixiado por gás dentro de uma viatura. A violência está generalizada no país e mesmo casos como o das chacinas no Rio a postura do presidente as legitima, como se já não bastasse a dos governadores. 

Bolsonaro internacional 

Como o presidente decidiu ir à Cúpula das Américas pode-se esperar que tenha desempenho forte, conveniente à sua campanha, mas sem derrapadas, que sua base apoia sem restrições, como aquela em que chamou de feia a mulher do presidente francês. É que se prevê encontro com Joe Biden à margem do evento e supõe-se que um dos temas será o das salvaguardas amazônicas e o discurso da soberania está na ponta da língua. 

Saúde sobe 

A maior alta dos últimos 22 anos é a dos planos individuais de saúde em 15,5% que rendeu muitos debates e inclusive uma crítica meio de raspão à prática da medicina privada pelo ministro Queiroga. Entre os fatores do aumento - inflação geral e o caso específico das terapias prolongadas da Covid extensa alcançando milhões de pacientes. O reajuste aprovado pela Agência Nacional de Saúde deve impactar 8,9 milhões de brasileiros. 

LEIA TAMBÉM:

Resistência?
Um símbolo forte

Front 

É generalizada a volta das máscaras, principalmente nas aulas presenciais no paí,s e persiste a desproporção entre a média móvel de óbitos e novo casos em progressão geométrica: 136 mortes entre quarta e quinta e 30.033 infecções em 24 horas. 

Recuo 

O reajuste mais alto às polícias prometido por Bolsonaro é inviável por motivações orçamentárias e a tendência é a concessão de 5% para todos. Pelo jeito pode, ainda que limitada a algumas corporações, haver greve, operação tartaruga e outros tipos de manifestação. Não adianta, a grana é curta. Já para os aliados caminhoneiros e motoristas de táxi e app há um estudo de concessão de vales. O gabinete do Doutor Calegari está à toda, com assistência, entre outros, de Boris Karlof. 

Fazendo as contas 

A equipe do governador Ratinho Junior faz as contas das perdas no ICMS em mais de 17% e num furo superior a R$ 6,6 bilhões na matéria que tramita agora no Senado onde haverá resistência. Bolsonaro já sinalizou o uso do veto a qualquer forma de compensação a estados pelas perdas. Economia é sempre multifacetada: a arrecadação em abril cresceu 10,9% devido à alta dos combustíveis. 

Mais atrito 

Além dos possíveis confrontos decorrentes da assembleia geral dos professores com a APP já mobilizada, a Lei Geral das Universidades no Paraná gerou novos critérios para a admissão de servidores das sete instituições, providência criticada acerbamente pelo sindicato dos professores. Esse é um problema permanente da área com os professores usando o argumento nada satisfatório de que se atenta contra a autonomia da universidade. 

Autorregulação 

Depois dos sanduíches sem picanha do McDonald's e sem costela do Burger King agora sobrou para a rede do paranaense Júnior Durski, dono do Madero, com uma propaganda questionada por causa da quantidade de carne. A propaganda no metrô de São Paulo, um outdoor, mostra um sanduíche com três pedaços de carne a R$ 9,80. A promoção incluía apenas um pedaço e o preço sobe se o cliente pedir dois ou três.  

Folclore 

Parte da elite econômica brasileira, inconformada com o primarismo da polarização, prepara manifesto em defesa de Simone Tebet. Tucanos originais,  daqueles que pilotaram o Plano Real, estão na onda.  

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.