|
  • Bitcoin 141.431
  • Dólar 4,8684
  • Euro 5,1299
Londrina

Luiz Geraldo Mazza

m de leitura Atualizado em 28/02/2022, 19:51

Guerra na Ucrânia: o racha como regra

Uma Ucrânia dividida, como se deu no passado com Coreia e Vietnã, parece inevitável consequência natural dessa como de outras guerras

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 01 de março de 2022

Luiz Geraldo Mazza
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Uma Ucrânia dividida, como se deu no passado com Coreia e Vietnã, parece inevitável consequência natural dessa como de outras guerras. Aos poucos vão se desenhando as linhas da nova geopolítica mundial. Da mesma forma que Hong Kong e Taipê não podem inscrever-se na Otan, por mais óbvio que seja, o mesmo não pode se dar na Ucrânia com seus nada desprezíveis espaços russos. Qualquer mínimo acordo deverá levar isso em consideração. Os EUA já não têm a bola toda do passado e para complicar a China cresceu, mas inegavelmente estava blefando precipitadamente quando afirmou um pacto sem limites com a Rússia. Aí se nota a chispa retórica afetando o raciocínio, como são simbólicas a destituição de Putin da Liga Mundial de Judô de um posto honorário e agora a proibição pela Fifa de a Rússia disputar a Copa do Mundo. Guerra fora do enfrentamento é a sanção, essa sim um ato bélico em meio a rituais diplomáticos. 

Letalidade 

Janeiro de 2021 registrou mais mortes do que o de 2022: 7.782 contra 7.451. Pode significar uma melhora discreta na influência da pandemia nos números cartoriais. De qualquer forma o saldo é maior do que o da fase pré-coronavírus. No sábado-domingo houve 9 óbitos e 2.778 infecções da pandemia, números em queda também no Paraná. Curitiba já havia vacinado 1.691.586 com a primeira dose. No Pequeno Príncipe um recorde em crianças infectadas.    

Carná  

Até a capital, um tanto quanto avessa ao carná, teve aglomeração incomum no setor histórico. No Rio blocos foram às ruas desde sexta e autoridades não se manifestaram. Em São Paulo também houve reação como no Nordeste, mas os foliões não desprezaram os cuidados. Vai dar repique. 

Subiu 

Saiu a nova tarifa de ônibus de Curitiba: a Urbs fixou-a em R$ 5,50. O incentivo do legislativo, a pretexto de subsídio, em R$ 20 milhões, é quase zero. 

Desemprego 

Em 19 das 27 unidades da federação houve recuo na taxa anual de desemprego, três mostraram-se estáveis e cinco em alta. Taxa média anual caiu de 13,8% em 2020 para 13,2% em 2021, Das regiões, segundo a Pnad Contínua, o Sul foi a única cuja média se equiparou ao índice pré-pandemia com 7,8%, a menor taxa de desocupação anual média do país, depois de registrar 8,7% em 2020. 

LEIA TAMBÉM:

Bancada da batota
Melhora discreta

Hora do burgomestre 

A quadra brasileira em política foge de todos os esquemas. O PT descobre o óbvio da pobreza dos seus quadros com a evidência de que além de Lula em termos nacionais conta apenas com Fernando Haddad e Jaques Wagner e temos ainda a evidência de que nada menos de onze prefeitos pensam na hipótese de renunciar para disputar o governo estadual. Tal é o caso de Alexandre Kalil (PSD), prefeito de Belo Horizonte. Há mais cinco de capitais que cogitam da mesma saída, os de Maceió, Aracaju, Florianópolis, Cuiabá e Campo Grande. 

Petrobras 

A Petrobras, agora há 40 dias sem reajuste dos seus produtos, tem dois testes pela frente para sua política de preços: o ano eleitoral (isso visível na mexida pretendida pelos políticos) e a guerra que impulsiona tudo para o alto com os mais de US$ 100 mil por barril. Há quem veja no represamento de preços um indicador de direcionamento. 

A maior sanção  

De todas as sanções invocadas contra a Rússia a mais grave delas é a que a impede de acessar suas reservas nos EUA, União Europeia, Reino Unido e Canadá, ato beligerante, já que um terço dos recursos do país está nas nações que comandam o boicote. Já houve corrida aos bancos russos e mudança para o alto na questão dos juros. 

Folclore 

Bolsonaro parece ter tal confiança que a guerra da Ucrânia não pesará nos fatores da campanha eleitoral que continua gerando confusão sobre a posição do país em relação a Putin. 

A opinião do colunista não reflete, necessariamente, a da FOLHA

Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link