|
  • Bitcoin 150.000
  • Dólar 4,9314
  • Euro 5,2150
Londrina

CONSULTORIA EMPRESARIAL

m de leitura Atualizado em 23/03/2022, 20:28

Por que tanta gente resiste a preparar seu sucessor?

Quando estiver diante de alguém que resiste passar o bastão, lembre-se: para ajudá-la, você precisa enxergar a situação com os olhos dela

PUBLICAÇÃO
quinta-feira, 24 de março de 2022

Wellington Moreira
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Capacitar sucessores continua a ser um tabu na maior parte das organizações e não é para menos. No mundo da gestão, as angústias dos sucedidos costumam ser tratadas como simples mimimi. O que nem sempre é verdade.

Imagem ilustrativa da imagem Por que tanta gente resiste a preparar seu sucessor? Imagem ilustrativa da imagem Por que tanta gente resiste a preparar seu sucessor?
|  Foto: iStock
 

Alguns profissionais seniores, por exemplo, resistem a processos de sucessão por entenderem a aposentadoria como sinal de finitude da vida. Uma "saída forçada da sociedade", já que não enxergam o que fazer de interessante em uma vida sem trabalho.

Aliás, diante de alguém cuja identidade está muito atrelada ao trabalho, lembre-se que a pergunta incômoda que surge na cabeça dele(a) quando lhe pedimos a passagem de bastão é: "Tá, e o que eu farei depois que estiver aposentado?"

Ainda mais quando a pessoa já sabe de antemão que, apesar da idade avançada, não conseguirá manter seu padrão de consumo contando apenas com a pensão do governo e uma previdência complementar. A verdade é que ela resiste à sucessão porque o seu estilo de vida está em jogo.

Já profissionais de meia-idade (45 a 59 anos) costumam ser movidos pelo próprio senso de autopreservação quando ignoram possíveis sucessores: eles simplesmente temem perder o emprego para essas pessoas. Daí quem é visto com potencial para substituí-los logo vira um adversário.

Outra questão que não pode ser ignorada é que alguns profissionais têm uma natureza individualista. Eles detestam compartilhar o seu conhecimento técnico com terceiros. Como me disse uma pessoa anos atrás: "Se ele quiser aprender, vai ter de passar pelo que eu passei. Não vou dar tudo de graça de jeito nenhum”.

Às vezes, o próprio sucessor não ajuda muito. A pessoa é imediatista demais, achando que logo vai dominar o novo trabalho e, assim que surgem os primeiros obstáculos e exigências, acaba desistindo da transição. Nessas horas, é comum o sucedido sentir que está perdendo o seu tempo na formação de gente que não quer nada com nada.

O medo de errar na escolha do sucessor é mais um problema corriqueiro. A gente vê isso na prática quando os candidatos jamais parecem à altura da posição, sendo descartados um a um com a famosa desculpa: “Ainda não encontrei ninguém bom o bastante”.

Quando estiver diante de uma pessoa que resiste passar o bastão para outra, lembre-se que, para ajudá-la, você precisa enxergar a situação com os olhos dela. Aliás, é bem provável que mais adiante, quando chegar a sua vez, também venha a sofrer algumas das angústias que relatei logo acima.

Nas empresas, falamos há anos sobre o que o sucessor precisa para dar certo na nova posição. Já está mais do que na hora de darmos mais atenção às necessidades emocionais e expectativas que movem aquele que será sucedido.

Pense nisso!

* Wellington Moreira, palestrante e consultor empresarial

[email protected]