Saúde confirma 2.082 casos de dengue em Londrina

Desde o início do ano são cinco óbitos; prefeitura divulga dicas de cuidados individuais

Reportagem local
Reportagem local

 

Saúde confirma 2.082 casos de dengue em Londrina
Vivian Honorato / Arquivo N.Com
 



A secretaria municipal de Saúde de Londrina divulgou, nesta quinta-feira (30), o relatório epidemiológico atualizado sobre a situação da dengue. Desde o início do ano foram registradas 9.508 notificações,  das quais 2.082 estão confirmadas, 2.993 descartadas e 3.874 encontram-se em análise, aguardando o resultado de exames. Londrina também contabiliza cinco óbitos, no período, em decorrência da doença.


O secretário municipal de Saúde, Felippe Machado, informou que a SMS intensificou as vistorias realizadas pelos agentes de Endemias nos bairros onde foi detectado aumento na incidência de casos suspeitos de dengue. Outras ações realizadas pela prefeitura são mutirão de limpeza,  aplicação do inseticida com a UBV pesada (fumacê) e bloqueio de circulação viral. 


“Temos que destacar que 99% dos focos encontrados estão nos quintais, dentro de objetos em desuso, que acumulam água da chuva, como vasos de plantas e bebedouros de animais. O vetor transmissor da dengue tem preferência por estar onde tem circulação humana, pois assim ele encontra alimentação (sangue) e local para dar continuidade à sua espécie, fazendo a desova”, salientou o secretário.

 

Saúde confirma 2.082 casos de dengue em Londrina
Divulgação
 



CUIDADOS INDIVIDUAIS

A secretaria esclarece que o Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue,  não nasce contaminado. Para que haja a contaminação, ele precisa picar um indivíduo contaminado. Na sequência, ele pica outra pessoa, transmitindo a doença. Por isso, é muito importante a população tomar alguns cuidados individuais para se proteger da picada do Aedes. Confira:


Uso de telas de proteção contra insetos nas portas e janela dos imóveis. A tela deve ser de cor cinza, que reflete menos a luz à noite, para não atrair outros insetos. O tamanho do buraco (bitola) da tela deve ser de 1mm (um milímetro). O uso de telas, bem como de mosquiteiros, a longo prazo é mais vantajoso, por isso deve ser sempre a prevenção de primeira escolha.


Uso de mosquiteiro. Todas as camas devem ter mosquiteiro. Ele deve ser de microtule ou equivalente com o tamanho do buraco (bitola) de 1mm. Pacientes notificados e/ou positivos para arboviroses devem obrigatoriamente fazer uso desta proteção individual, para não atuarem como transmissores da doença para o Aedes.


Uso de repelente aplicado ao corpo. O Aedes suga o sangue dos humanos durante o dia, preferencialmente no período da manhã e no final da tarde. A indicação é que o repetente seja aplicado até três vezes ao dia (aplicações extras devem ser feitas somente sob orientação médica). A orientação é aplicar o repelente uma vez no período da manhã, a segunda aplicação após o almoço, e a terceira no final da tarde. Mulheres grávidas e crianças devem procurar orientação de seu médico, para usar o produto. O paciente suspeito ou confirmado com qualquer arbovirose transmitida pelo Aedes precisa estar consciente que ele representa um risco real para as pessoas a sua volta, portanto é imprescindível fazer o uso do repelente. (Com informações do N.Com)


LEIA TAMBÉM:

Bota fora contra a dengue: equipes recolhem entulhos de bairros de Londrina


- Fumacê é aplicado em mais de 60 bairros de Londrina


Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito
Assine e navegue sem anúncios [+]

Últimas notícias

Continue lendo