AEDES AEGYPTI -

Bota fora contra a dengue: equipes recolhem entulhos de bairros de Londrina

Ações de combate ao mosquito Aedes aegypti são intensificadas com mutirão, aplicação do fumacê e vistorias dos agentes de endemias

Micaela Orikasa - Grupo Folha
Micaela Orikasa - Grupo Folha

 

Em apenas duas horas de trabalho equipes da CMTU já haviam carregado cinco caminhões com entulhos
Em apenas duas horas de trabalho equipes da CMTU já haviam carregado cinco caminhões com entulhos | Micaela Orikasa/Grupo Folha
 


Com a circulação do Aedes aegypti - mosquito que transmite dengue, zika, chikungunya e febre amarela - em Londrina, as ações de combate ao vetor estão se intensificando nas últimas semanas, com aplicações do fumacê e vistorias das equipes de endemias em diferentes bairros. Nesta quinta-feira (22), os caminhões da CMTU (Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização) voltaram a circular com o mutirão Bota Fora Unidos Contra a Dengue. Até segunda-feira (26), as equipes irão percorrer os bairros Palmares, Progresso, Paulista e Vila Marízia, próximos à BR-369. Um dia antes da passagem dos caminhões, um carro de som faz o anúncio do serviço.   


Neste primeiro dia, nas primeiras duas horas as equipes já haviam carregado cinco caminhões com entulhos de construção, galhos de árvores e materiais em desuso entre a Vila Marízia (centro) e o jardim Progresso (zona norte). “Percorremos os locais em que a secretaria municipal de Saúde tem constatado maior incidência de casos de dengue e essa parceria do poder público com a população tem dado muito certo”, diz Marcelo Cortez, presidente da CMTU. 


Tudo o que é recolhido pelos caminhões tem destinação correta. Para Renato Neves dos Santos, a ação foi um alívio para descartar um pneu de trator que o incomodava há tempos. “Estava há meses tentando descartar esse pneu, mas não achava nenhum lugar que recolhesse”, disse. Ele mora no jardim Progresso, próximo ao fundo de vale, e comenta que os cunhados que residem nos fundos da casa tiveram dengue.  


 

Bota fora contra a dengue: equipes recolhem entulhos de bairros de Londrina
Micaela Orikasa/Grupo Folha
 



AGRADECIMENTO

Na casa ao lado, Silvia Inácio Mariano também fez uma limpeza geral nos fundos da casa e retirou uma casinha de cachorro, telhas e pallets. “Esse serviço veio na hora certa. Estávamos pensando em alugar uma caçamba para descartar tudo o que não nos serve mais porque são coisas que não dá para colocar no carro e jogar em qualquer lugar”, comentou. Como forma de agradecimento ao trabalho das equipes, ela ofereceu café, leite, bolachas e pão para os trabalhadores, em uma mesa improvisada em frente de casa. “É uma forma de retribuir. Eles estão nos ajudando”, disse.  


O mutirão tem o objetivo de evitar o descarte irregular em fundos de vale e terrenos baldios, criando oportunidade para as pessoas retirarem itens acumulados nos quintais. A secretaria municipal de Saúde afirma que 99% dos criadouros de dengue estão dentro das residências, ou seja, em pratos de plantas, em calhas d’água entupidas, bebedouros dos animais, pneus, garrafas, latas e objetos. 



 

Bota fora contra a dengue: equipes recolhem entulhos de bairros de Londrina
Micaela Orikasa/Grupo Folha
 



FUMACÊ 

Além do mutirão Bota Fora, os moradores do Progresso também têm observado a passagem do caminhão de fumacê pelas ruas do bairro. Desde o dia 23 de março, os caminhões percorrem localidades com maior índice de infestação. A aplicação dos cinco ciclos de inseticida já totalizou 25 bairros, sendo 10 da zona leste, seis da região central e nove da zona sul. 


Agora, o fumacê entrou em uma segunda etapa de aplicação e deve percorrer mais de 60 localidades, de segunda a sábado, das 4h30 às 10h e das 16h às 21h. Aos domingos, a aplicação é feito somente pela manhã.  Quando o fumacê estiver passando, a população deve abrir portas e janelas para que o inseticida adentre os imóveis, além de proteger os animais domésticos, comedouros, bebedouros e alimentos, evitando a contaminação.  


De janeiro até o dia 8 de abril, Londrina acumulava 6.157 notificações da doença, sendo 1.253 casos confirmados. Quatro pessoas morreram em decorrência da dengue este ano, sendo dois pacientes do sexo masculino, com idades de 70 e 69 anos, e duas mulheres de 19 e 52 anos. Os dados são do último relatório epidemiológico da dengue divulgado pela secretaria municipal de Saúde. Novo levantamento deve sair nos próximos dias.  


SAIBA MAIS:

Fumacê é aplicado em mais de 60 bairros de Londrina



DENÚNCIA E ATENDIMENTO 

Denúncias sobre focos do mosquito Aedes aegypti e demais orientações sobre dengue podem ser feitas no Disque Dengue 0800 400 1893. O atendimento é de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.  


Existem duas formas de dengue: a clássica e a hemorrágica. Os sintomas da dengue clássica geralmente são: febre, dor de cabeça, dor no corpo, dor nas articulações e dor por trás dos olhos. A dengue hemorrágica é a forma mais severa da doença. Além dos sintomas citados é possível ocorrer sangramento, ocasionalmente choque e consequências como a morte. 


Diante desses sintomas, procure a unidade de saúde mais próxima, com exceção das unidades que funcionam com atendimento exclusivo para Covid-19.  (Com N.Com)

 


LEIA TAMBÉM:

Pronto Atendimento do Leonor já tem data para reabertura



Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito
Assine e navegue sem anúncios [+]

Últimas notícias

Continue lendo