|
  • Bitcoin 143.166
  • Dólar 4,8704
  • Euro 5,1419
Londrina

O BICHO PEGOU

m de leitura Atualizado em 03/03/2022, 15:33

Saiba mais sobre leucemia e lúpus, doenças que também afetam pets

Diagnóstico precoce e tratamento adequado garantem qualidade de vida ao animal

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 02 de março de 2022

Lívia Marra - Folhapress
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Lúpus e leucemia são doenças que também podem atingir os pets. Mais comum entre cães, o lúpus atinge animais com predisposição genética e se desenvolve pelo uso de alguns medicamentos ou devido a fatores ambientais. Inflamações na pele, no focinho ou no coração, anemia e insuficiência renal são alguns dos sintomas.

Imagem ilustrativa da imagem Saiba mais sobre leucemia e lúpus, doenças que também afetam pets Imagem ilustrativa da imagem Saiba mais sobre leucemia e lúpus, doenças que também afetam pets
|  Foto: iStock
 

"De acordo com alguns estudos, algumas raças podem ter predisposição para desenvolver o lúpus, como o setter irlandês, o pastor alemão, o poodle e beagle. Mas isso não quer dizer que outras estejam livres, já que é um distúrbio imunomediado multissistêmico. Embora seja uma doença incomum, é importante conhecer esta possiblidade", diz Bruna Fabro, médica-veterinária da Botupharma.

O cuidado deve ser redobrado no caso da leucemia, já que o tratamento é mais eficiente quando iniciado nos primeiros estágios da doença. Entre os sintomas estão febre, fraqueza, perda de apetite, gengiva com aparência ruim, hemorragia, respiração ofegante e perda de peso.

LEIA TAMBÉM:

+  O que é disfunção cognitiva canina? Especialista explica

O tratamento é deliciado, inclui medicamentos contra dores e sessões de quimioterapia, além do cuidado do tutor para evitar deixar o animal sozinho.

"Cães e gatos podem ter diferentes tipos de leucemias que são classificadas quanto à linhagem celular envolvida, sendo a leucemia linfocítica e a leucemia mielóide geralmente as mais comumente observadas e conforme a progressão e maturação das células comprometidas, em aguda ou crônica", diz Fabro. 

É sempre importante observar o comportamento e fazer consultas periódicas ao veterinário para que o diagnosticado precoce e o tratamento adequado ofereçam qualidade de vida ao animal.

***

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1