|
  • Bitcoin 102.698
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Cidades

m de leitura Atualizado em 03/03/2022, 15:30

O que é disfunção cognitiva canina? Especialista explica

Veterinário alerta que tutores devem ficar atentos a mudanças de comportamento de pets idosos

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 11 de fevereiro de 2022

Reportagem local
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

O Fevereiro Roxo foi criado especialmente para falar sobre problemas de saúde como o Alzheimer e leucemia, doenças que são comuns em seres humanos. Mas a data também chama a atenção para a saúde dos pets idosos em especial para as neurodegenerativas, como a SDCC (síndrome da disfunção cognitiva canina).

Imagem ilustrativa da imagem O que é disfunção cognitiva canina? Especialista explica Imagem ilustrativa da imagem O que é disfunção cognitiva canina? Especialista explica
|  Foto: istock
 

O problema atinge o sistema nervoso central que acomete o cérebro dos animais idosos, causando uma série de alterações comportamentais, como alteração no aprendizado, a interação e a resposta a estímulos. Além disso, alguns estudos mostram que o distúrbio pode afetar a memória do cachorro.

O coordenador do curso de medicina veterinária da Unopar, Flávio Antônio Barca Junior, explica que a doença neurodegenerativa, normalmente é subdiagnosticada nos estágios iniciais. 

“Por acometer os cães idosos muitos tutores acabam achando normal e  dizendo que se tornaram rabugentos, mas essas alterações são sinais de alguma anormalidade na saúde do animal. A SDCC é bem parecida com o Alzheimer humano e só acomete os idosos, porém vale alertar que o envelhecimento dos cachorros segue um ritmo diferente variando conforme o porte. Quanto maior é o pet, mais rápido é o seu envelhecimento”, explica o coordenador.

LEIA TAMBÉM:

Cachorro é abandonado no Centro de Londrina 

MUDANÇA DE COMPORTAMENTO

De acordo com o médico-veterinário os donos devem observar alguns pontos no comportamento do cão e caso haja alteração no sono, xixi e cocô em locais fora do comum, mudança de comportamento com o tutor, esquecimento de comandos aprendidos e principalmente a diminuição da orientação, fazendo com que o cão fique perdido pela casa é recomendado uma consulta com o especialista.

SEM CURA

Barca destaca que a doença não tem cura, porém existem tratamentos para retardar a síndrome e melhorar a qualidade de vida do cão.

“O tratamento é feito com mudanças na dieta e a introdução de uma suplementação nutricional com uso de vitaminas, antioxidantes, além disso o uso de fármacos específicos para a síndrome da disfunção cognitiva canina. O enriquecimento mental através do enriquecimento ambiental do local de convivência do animal também colabora com o tratamento e melhora a qualidade de vida ao animal.” (Com informações da Unopar)

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1