|
  • Bitcoin 102.599
  • Dólar 5,2536
  • Euro 5,4884
Londrina

Cidades

m de leitura Atualizado em 21/01/2022, 21:02

Estudantes pressionam UEL por passaporte de vacina

A universidade é a única estadual do Paraná a não adotar a medida para o retorno presencial

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 21 de janeiro de 2022

Ana Júlia Gabas - Estagiária*
AUTOR autor do artigo

Foto: Anderson Coelho/14-12-2017
menu flutuante

Em reunião online, na tarde desta sexta-feira (21), o DCE (Diretório Central dos Estudantes) da UEL (Universidade Estadual de Londrina) discutiu as recentes medidas tomadas pela universidade em relação `volta às aulas. Dentre as pautas levantadas estavam a não obrigatoriedade do passaporte vacinal contra Covid-19 como medida para o retorno seguro presencial e, também, a desorganização por parte da instituição ao tomar a decisão de adiar as atividades presenciais faltando quatro dias para o início das aulas.  

Nesse cenário, a decisão dos estudantes é por pressionar a UEL pela obrigatoriedade do passaporte vacinal para o retorno das aulas. Na terça-feira (18), a Câmara de Graduação da instituição votou contra o passaporte como medida para o retorno presencial. “É uma medida de segurança necessária para voltar”, explica Natália Rodrigues de Held, membro do DCE. Segundo a estudante, o retorno dos alunos à instituição não afetará somente a comunidade universitária, mas também a população em geral: o fluxo no transporte coletivo será maior e haverá o contato direto entre milhares de estudantes. Além disso, não há certeza de que todos os alunos estejam vacinados contra a doença, já que o recolhimento dos dados ainda não está completo. 

LEIA MAIS

+ Índice de transmissão de Covid dá um salto no último mês em Londrina

Em uma reunião realizada na quinta-feira (20), a Câmara de Graduação da UEL optou pela manutenção do retorno das atividades acadêmicas no dia 24 de janeiro em formato remoto pelas próximas três semanas, com a possibilidade de atividades presenciais, seguindo as especificações dos planos de matriz curricular de cada curso. Com isso, a preocupação dos estudantes está concentrada na segurança sanitária da comunidade, uma vez que o estado do Paraná, assim como o país todo, vivencia diariamente o aumento dos casos de Covid-19, sobretudo da variante Ômicron, além dos casos da gripe H3N2. Em Londrina, segundo o último boletim epidemiológico, a média de novos casos de Covid-19 é de 500 por dia, somando mais de 2000 casos ativos da doença, com 35 internações.

  icon-aspas É uma medida de segurança necessária para voltar
Natália Rodrigues de Held - membro do DCE
  

Das 11 universidades públicas do estado do Paraná, sete delas já adotaram o passaporte de vacina como exigência para a volta do ensino presencial. E, das instituições estaduais, a UEL é a única que não exigirá comprovante. “Que eles retomem a discussão, repensem e votem de novo. É algo que já foi adotado em outras universidades, tanto do Paraná quanto fora do estado”, pontua a estudante.

O DCE seguirá pressionando a universidade quanto a isso e irá adotar algumas medidas para que ocorra uma segunda reunião na Câmara de Graduação. Além de compartilharem a informação entre a própria comunidade universitária, a intenção é fazer com que a pauta chegue até o conselho da UEL: “Além de escrever um manifesto, a gente pretende fazer uma reunião com as categorias de professores, técnicos e pós-graduação. E tentar levar a pauta novamente para o conselho”, conclui Held.

***

Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção "A cidade fala". Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.