|
  • Bitcoin 121.350
  • Dólar 5,0504
  • Euro 5,2179
Londrina

Cidades

m de leitura Atualizado em 12/07/2022, 16:15

Em seis meses, CMTU roçou 761 terrenos particulares em Londrina

Somente na região leste, as equipes fizeram a limpeza de 80 áreas; autuações em toda a cidade chegaram a R$ 1,5 milhão

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 12 de julho de 2022

Micaela Orikasa - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Pedro Marconi/Arquivo Folha
menu flutuante

No balanço do primeiro semestre de 2022, a CMTU (Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização) fez a limpeza de 761 terrenos particulares em Londrina, somando quase 500 metros quadrados de roçagem em áreas que deveriam ser cuidadas pelos proprietários. Em 2021, no primeiro semestre, o volume de áreas particulares limpas pelo município chegou a 300 mil m², totalizando 380 terrenos atendidos.

Os serviços realizados nos primeiros seis meses deste ano geraram atuações no valor aproximado de R$ 1,5 milhão aos responsáveis pelas áreas, considerando que cada metro quadrado tem um custo de cerca de R$ 3 e que, em média, os terrenos têm 250 metros quadrados.  

REGIÃO DOS CONDOMÍNIOS

O diretor de Operações da Companhia, Álvaro do Nascimento, explica que a escolha das áreas para a limpeza se deu em função da quantidade de queixas registradas pela população em cada região.

Em toda a cidade, a região leste chamou a atenção das equipes pelo número de terrenos com mato alto. Somente na região de novos condomínios, próximo à avenida dos Pioneiros, foram mais de 80 lotes. “São condomínios novos que se instalaram naquelas proximidades. A região que menos registra reclamações, com base nos nossos atendimentos, é a zona sul. A mais frequente é a zona norte”, cita.  

Leia também: 

Entrega de revitalização da praça Dom Pedro fica para agosto

A CMTU dispõe de um banco de dados com o cadastro de todos os lotes privados, que somam mais de 40 mil imóveis, mas diferente dos terrenos públicos, onde as equipes já contam com rotas e cronogramas, nas áreas particulares a Companhia conta muito com a participação do munícipe, “que é aquele vizinho do terreno que nos relata o mato alto, a proliferação de insetos”, afirma. 

300 DENÚNCIAS POR MÊS

Em média, nos períodos de maior incidência de calor e chuva, que contribuem para que o mato cresça mais rapidamente, a CMTU chega a receber mais de 300 denúncias ao mês. Se possível, a população deve enviar fotos do local e uma equipe é deslocada até o endereço para verificar a situação.  

“Depois é montado um cronograma para ser feito o serviço. No Código de Posturas do município, Lei nº 11.468/2011, que determina que os terrenos privados, na área urbana, devem ser mantidos em bom estado de asseio e conservação durante todo o ano, também torna isenta a notificação individual dos proprietários, isto é, pode ser feita de forma geral, através de publicação em jornal impresso e no diário oficial”, explica. 

Os valores das autuações são cobrados pela Prefeitura Municipal, por meio da secretaria municipal de Fazenda. O valor aproximado de R$ 3 por metro quadrado inclui a multa de R$ 2 por metro quadrado não roçado, mais R$ 0,46 pelo trabalho executado em cada metro e uma taxa de 10% sobre o valor dos serviços. “Uma hora essa conta aparece, seja na venda do imóvel, na aquisição de uma certidão, entre outros”, ressalta.  

ÁREAS PÚBLICAS 

Nas áreas públicas, corte do mato ultrapassou a marca de 17 milhões de metros quadrados. Entre janeiro e março, foram 1.713.408 m² mensais executados em cada um dos dois lotes operados pela terceirizada Costa Oeste Serviços.  Já entre abril e junho, a metragem executada a cada 30 dias pela empresa atingiu a marca de 1.141.536 m² no primeiro e segundo lotes. Definido em contrato, o volume máximo de corte do mato oscila conforme os períodos do ano.  

Imagem ilustrativa da imagem Em seis meses, CMTU roçou 761 terrenos particulares em Londrina Imagem ilustrativa da imagem Em seis meses, CMTU roçou 761 terrenos particulares em Londrina
|  Foto: Divulgação/CMTU
 

De outubro a março, devido ao crescimento da vegetação, os dois lotes podem roçar, juntos, 3.426.816 m² todos os meses. No intervalo de abril a setembro, quando o clima costuma ser mais ameno, a área total percorrida pela contratada pode chegar a 2.283.072 m² mensais nos dois lotes. 

Entre os locais contemplados pela ação estão praças, fundos de vale, canteiros, rotatórias e terrenos do Município. O contrato com a Costa Oeste Serviços, responsável pelos serviços de capina e roçagem é de 12 meses, renovável por quatro anos. Em 2023, o contrato se encerra e uma nova licitação será aberta para contratação de terceirizada. (Com informações da CMTU) 

Imagem ilustrativa da imagem Em seis meses, CMTU roçou 761 terrenos particulares em Londrina Imagem ilustrativa da imagem Em seis meses, CMTU roçou 761 terrenos particulares em Londrina
|  Foto: Divulgação/CMTU
 

SERVIÇO -  Denúncias sobre mato alto podem ser feitas pelo telefone (43) 3379-7900, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, ou pelo site da CMTU

****

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1