|
  • Bitcoin 102.844
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 11/03/2022, 19:56

Violência e assédio são a principal preocupação de brasileiras, diz pesquisa (1)

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 11 de março de 2022


AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A violência e o assédio são a principal causa de preocupação entre mulheres no país. O quadro consta de pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe), entre os dias 19 de fevereiro e 3 de março deste ano.

O levantamento, encomendado pela Febraban (Federação Brasileira de Bancos), traz um retrato sobre a situação das brasileiras no que se refere ao preconceito e à violência. Foram ouvidas 3.000 mulheres nas cinco regiões do país.

Um dos principais pontos levantados é que 83% das respondentes acreditam que os casos de violência contra a mulher aumentaram durante a pandemia da Covid-19. Essa opinião é maior entre mulheres pretas (87%) do que entre brancas (81%) e pardas (83%).

A pesquisa Observatório Febraban Mulheres, Preconceito e Violência mostra que, apesar de 56% das entrevistadas afirmarem que a questão da igualdade de gênero no Brasil "melhorou" ou "melhorou muito" nos últimos dez anos, 8 em cada 10 ainda se dizem insatisfeitas ou muito insatisfeitas com a forma como as mulheres são tratadas na sociedade brasileira.

A violência e o assédio (40%), seguidos do feminicídio (26%) e da desigualdade de direitos e oportunidades entre homens e mulheres, são os principais pontos negativos.

A grande maioria considera que há desigualdade entre mulheres e homens quanto à remuneração ou salários (82%), direitos (71%) e liberdade sexual (71%). E um terço (31%) indica o machismo como principal causa para o Brasil ocupar a quinta posição em mortes violentas de mulheres. Um quinto (20%) aponta que a impunidade ou falta de leis mais rigorosas levam a essa situação.

Ainda sobre violência, mais da metade (55%) das brasileiras viram ou tomaram conhecimento sobre mulheres próximas que foram vítimas de situações de violência verbal, física ou sexual. O número chega a 63% na faixa etária de 18 a 24 anos.

Também passam da metade as que já foram vítimas ou já presenciaram alguma situação de preconceito ou discriminação contra mulheres: na rua (67%), no transporte público (56%), em festas ou em locais de entretenimento (54%).

Quase 8 em cada 10 (77%) entrevistadas indicam a casa como o lugar onde as situações de violência, ameaça e assédio ocorrem com mais frequência, e 7 em cada 10 (69%) citam pessoas próximas ou conhecidas —atuais ou antigos cônjuges, companheiros e namorados— como principais agressores.

"Indo direto ao ponto, a pesquisa nos faz um sério alerta de que, mesmo com os avanços dos últimos anos, as mulheres no Brasil ainda são, com frequência, vítimas de violência, assédio, preconceito e discriminação e de que precisamos de políticas e ações afirmativas que enfrentem esse grave problema social", diz Isaac Sidney, presidente da Febraban.

No ambiente profissional, 40% das entrevistadas dizem já ter sofrido ou conhecem alguém que sofreu assédio moral por ser mulher. Esse percentual é muito similar ao das que apontam o assédio sexual também no ambiente profissional (38%). Em ambos os casos, apenas um terço (33%) disse ter havido denúncia do crime.

A pesquisa também mostrou que apenas 30% das vítimas denunciam o agressor aos órgãos oficiais ou policiais. Além desses, 14% buscam apoio informal de amigos, familiares ou conhecidos; e apenas 1% procura os diretores/gestores das empresas ou instituições onde ocorreu o fato.

Para 59% a denúncia não acontece por medo de represália e de perseguição. Um quinto (19%) refere-se à vergonha, 15% expressam o medo de que não acreditem no fato e 10% citam a falta de confiança na Justiça.

"Se esse quadro, por si só, já evidencia a situação de vulnerabilidade a que as mulheres estão expostas, ele se agrava quando metade declara que as vítimas não procuram ajuda ou não denunciam. E isso acontece em função do medo, principalmente de represália ou perseguição, e também de serem desacreditadas", aponta o sociólogo e cientista político Antonio Lavareda, presidente do conselho científico do Ipespe.