|
  • Bitcoin 102.045
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 20/01/2022, 21:47

Vacina não causou reação em criança de Lençóis Paulista, diz Governo de SP

PUBLICAÇÃO
quinta-feira, 20 de janeiro de 2022

MÔNICA BERGAMO
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo concluiu nesta quinta-feira (20) que a vacina contra a Covid-19 não foi a causa de uma parada cardíaca em uma criança de 10 anos, notificada em Lençóis Paulista, no interior do estado. Ela havia recebido o imunizante da Pfizer, indicado para sua faixa etária.​

O evento adverso pós-vacinação foi descartado após análise do Centro de Vigilância Epidemiológica da pasta, realizada por mais de dez especialistas. "Não existe relação causal entre a vacinação e o quadro clínico apresentado, portanto, o evento adverso pós-vacinação está descartado", diz a conclusão do relatório.

A análise apontou que o episódio foi desencadeado por uma doença congênita rara, até então desconhecida pela família. A criança já teve o quadro revertido e ainda se encontra hospitalizada, mas estável.

Um ponto que chamou a atenção dos especialistas foi o curto intervalo entre a vacinação e o início dos sintomas —menos de 12 horas. O tempo decorrido não sustentaria a hipótese de uma miocardite desencadeada pela vacinação, segundo a investigação.

Em nota, a Secretaria da Saúde diz que reforça a importância da vacinação e "reafirma que todas os imunizantes aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária [Anvisa] são seguros e eficazes".

A investigação do caso foi conduzida de forma conjunta pela Divisão de Imunização do estado e pelos Grupos de Vigilância Epidemiológica de Botucatu e de Bauru, além do município de Lençóis Paulista.

O diagnóstico revelou uma pré-excitação no eletrocardiograma da criança, o que, segundo a secretaria, é uma característica da síndrome de Wolff-Parkinson-White (WPW).

"Esta é uma condição congênita que leva o coração a ter crises de taquicardia. Algumas destas crises podem ter frequência muito alta, levando até a síncope ou mesmo morte súbita", explica em nota.

A informação de que uma criança apresentou alterações nos batimentos cardíacos após tomar a vacina contra a Covid-19 levou a Prefeitura de Lençóis Paulista, no interior paulista, a suspender a campanha de imunização de crianças na quarta-feira (19).

A decisão foi tomada pelo prefeito Anderson Prado (DEM) depois de circular um relato de que uma criança com asma teria apresentado alterações nos batimentos cardíacos e, de acordo com os pais, desmaiado cerca de 12 horas após a aplicação da vacina.

Em nota divulgada nas redes sociais, a Prefeitura de Lençóis Paulista afirmou que optou por suspender a vacinação infantil por sete dias mesmo antes de ter acesso ao prontuário da criança.

A Anvisa autorizou em 16 de dezembro o uso da vacina da Pfizer para imunizar crianças de 5 a 11 anos. O imunizante já era aprovado para as outras faixas etárias.

A campanha de vacinação das crianças foi aberta na última sexta-feira (14), em São Paulo. O primeiro imunizado foi Davi Seremramiwe Xavante, um menino indígena de 8 anos.

A vacinação de crianças e adolescentes é tema sensível no governo Jair Bolsonaro (PL), pois o mandatário distorce dados e desestimula a imunização dos mais jovens. Ele chegou a ameaçar expor nomes de servidores da Anvisa que aprovaram o uso de vacinas da Pfizer em crianças.