Tatuapé, na zona leste, é campeão de furtos de veículos em São Paulo


PAULO EDUARDO DIAS
PAULO EDUARDO DIAS

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O 30° Distrito Policial, localizado no Tatuapé (zona leste da capital paulista), foi a delegacia que mais registrou o crime de furto de veículos, entre janeiro e agosto deste ano, em toda cidade de São Paulo.

Segundo os números disponibilizados pela SSP (Secretaria de Segurança Pública) em seu site, somente naquela unidade policial foram 836 queixas de motoristas que tiveram o veículo furtado nos primeiros oito meses de 2021. Para efeito comparativo, em todo ano passado, foram anotados 870 crimes do mesmo tipo no Tatuapé.

Os números da pasta indicam que há um crescimento mês a mês do delito na área administrada pela delegacia. Foram 105 casos em maio e julho, 108 em junho, e outros 124 em agosto, a maior quantidade durante todo o ano.

Por outro lado, a delegacia do Tatuapé registrou 80 casos de roubos de automóveis no mesmo período, sendo oito casos em agosto deste ano, quantidade inferior aos 13 anotados no ano passado. A delegacia do bairro segue uma tendência de toda a cidade.

Em nota, a secretaria afirmou que reforçou as ações de policiamento em toda cidade. "No último dia 5, dois criminosos, um maior e um menor de idade, foram presos na área do 30º DP por envolvimento em roubo e furto de veículos", disse.

Para o presidente da Associação de Moradores do Bairro Tatuapé, João Ortega, é necessário que os moradores do Tatuapé participem mais da segurança preventiva do bairro. "Estamos tentando ampliar o programa Vizinhança Solidária da Polícia Militar para mais ruas do bairro. Queremos que os moradores troquem mais informações entre si e aumentem o número de câmeras interligadas", afirmou.

No entanto, segundo Ortega, a adesão é difícil, porque há uma cultura de que só a polícia resolve o problema. "Da parte da polícia, precisamos de mais presença nas ruas, mais batidas policiais no bairro e mais efetividade para manter presos aqueles que cometem estes crimes. A polícia prende uma quadrilha hoje e logo eles estão de volta às ruas", disse.

O presidente da associação disse que tanto os furtos quanto os roubos tiram o sossego dos moradores da região, mas que os assaltos à mão armada deixam os moradores com mais medo. "Eles [roubos] têm impactado as pessoas."

PELA CIDADE

O furto de veículos, no entanto, não é um problema restrito apenas ao Tatuapé, mas ligado a toda capital. Levantamento do Agora junto aos dados tabulados pela SSP apontam que este crime em São Paulo teve crescimento de 22% no crime em relação ao mesmo período do ano passado. Entre janeiro a agosto deste ano foram anotadas 22.250 ocorrências do tipo contra 18.139 em 2020.

Em junho, as delegacias distribuídas pela capital haviam registrado 2.799 ocorrências do tipo, saltando para 2.934 em julho, até chegar em 3.074 em agosto, o mês com mais veículos que desapareceram das ruas da cidade.

O crime de furto é aquele em que o proprietário não tem conhecimento imediato do ato, já que não se encontrava no local quando o bem foi subtraído, ou seja, não é realizado mediante uso de arma ou violência.

Para o coronel reformado da PM de São Paulo e ex-secretário Nacional de Justiça, José Vicente da Silva Filho, o aumento pode estar atrelado ao atípico 2020, período de pandemia com forte paralisação das atividades econômicas.

"A redução dos furtos e roubos de veículos em 2020 foi de 28,8% em relação a 2019. É esperado para este uma certa 'volta à normalidade', com aumento nos indicadores devido ao retorno das atividades de trabalho, comercio, escola e lazer", disse.

O especialista em segurança disse que não há falta de policiamento, mas uma necessidade maior de punição aos infratores e também mais investimento em investigação.

"O policiamento é dinâmico, ele está onde precisa. Não é uma questão de simplesmente aumentar. Existem todos os fatores de contenção que são pouco trabalhados aqui no Brasil, a questão da impunidade da receptação, há deficiência, também, muita seria por parte da investigação", afirmou.

Silva afirmou que metade dos veículos roubados ou furtados são abandonados pelos criminosos, geralmente, nas zonas onde eles moram. "Furto e roubo de veículos são os únicos crimes contra o patrimônio que têm praticamente 100% dos casos registrados, pela importância do patrimônio."

Roubos Se o Tatuapé é recordista disparado em casos de furto de veículos, o bairro São Mateus, no extremo da zona leste, é o campeão em roubos de veículos.

Somente nos oito primeiros meses deste ano, o 49° DP, localizado na avenida Ragueb Chohfi, anotou 442 registros de pessoas que tiveram seus automóveis tomados mediante armas de fogo ou ameaça.

No entanto, diferente do caso de furtos, os de roubo vem caindo tanto no bairro periférico, como em toda cidade. Em São Mateus, por exemplo, foram 72 registros em junho, 66 em julho, e outras 50 queixas em agosto.

Já na capital, entre janeiro a agosto foram 8.433 casos ante 9.208 em igual período do ano passado.

OUTRO LADO

Procurada, a SSP disse que, ao longo dos últimos meses, 90 criminosos relacionados a essa prática criminosa foram presos nos bairros citados. "Paralelamente às ações locais, operações como a Cavalo de Aço e Desmanche vem sendo realizadas periodicamente pelas forças de segurança", afirmou trecho da nota.

A pasta justificou que, em relação aos indicadores, "é preciso considerar a atipicidade do ano de 2020 em decorrência das medidas sanitárias e restritivas que precisaram ser adotadas durante o período da pandemia".

"Na comparação de janeiro a agosto de 2021 com o mesmo período de 2019, houve redução de 12.19% nos furtos e 39,82% nos roubos de veículos". A secretaria ainda explicou que os números de roubos de veículos também caíram 8,43%, de janeiro a agosto deste ano, comparando com o mesmo período de 2020. Na capital, 8.977 veículos foram recuperados pelas polícias.

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Últimas notícias

Continue lendo