|
  • Bitcoin 148.977
  • Dólar 4,8801
  • Euro 5,1592
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 25/03/2022, 22:54

Strokes toca 'Bad Decisions' em show que mistura hits no Lollapalooza

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 25 de março de 2022

IVAN FINOTTI
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Alternando entre hits consagrados e canções do último disco, os Strokes iniciaram o show de encerramento do Lollapalooza Brasil 2022 às 21h39, com 9 minutos de atraso.

Surpresa: Julian Casablancas falou! Normalmente mudo e tímido, lançou um "parece haver rostos conhecidos na plateia. Apesar de não conseguir ver nada com seus óculos escuros."

Em seguida, o baterista brasileiro Fabrizio Moretti saudou o público em português mesmo.

"Reptilia", "Razorblade", "Juicebox", "You Only Live Once", "Hard to Explain", "Take It or Leave It". Todos esses sucessos fizeram parte do setlist de 16 canções dos Strokes no Lollapalooza Chile, no último domingo (20).

Mas Julian Casablancas e companhia não esqueceram seu último disco, "The New Abnormal", lançado há dois anos. No Chile, eles tocaram cinco dessas músicas novas. Anote aí: "Bad Decisions", "They Adults Are Talking", "Brooklyn Bridge to Chorus", "Eternal Summer" e "Ode to the Mets".

No Brasil, o show começou com a nova "Bad Decisions". Até a primeira meia hora, a banda alternou velhos sucessos com as novas.

Por causa desse bom último trabalho, a banda chegou revigorada ao país. Após dois discos que dividiram opiniões nos anos 2010, "The New Abnormal" ganhou melhor álbum de rock no Grammy do ano passado.

As críticas favoráveis variaram entre "os Strokes soam como uma banda de novo" e eleger o disco como a segunda obra-prima da banda, após "Is This It", o álbum de estreia de 2001.

Com 21 anos de estrada, os Strokes já se apresentaram no Lollapalooza Brasil em 2017. O show teve uma imensidão de hits, mas foi criticado por parte do público, que entendeu que a banda não se entregou como poderia.

Antes, em 2011, a banda roubou a cena no festival Planeta Terra e, em 2005, estava no auge quando se apresentou no Tim Festival.