|
  • Bitcoin 102.844
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 26/02/2022, 18:09

Sem Carnaval de rua, milhares lotam praias no litoral de SP

PUBLICAÇÃO
sábado, 26 de fevereiro de 2022

PAULO EDUARDO DIAS
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O veto à folia em boa parte das cidades paulistas, aliado ao céu com poucas nuvens e muito sol, levou milhares de turistas para as praias do Guarujá (82 km de SP) neste sábado (26).

No entanto, para poder aproveitar o calor e o mar, foram necessárias doses e doses de paciência aos motoristas e passageiros, uma vez que o sistema Anchieta-Imigrantes, principal via de acesso ao litoral, registrou pontos de lentidão em vários momentos do dia.

Pela manhã e início da tarde, a viagem entre São Paulo e Guarujá tinha duração de pouco mais de três horas, com trânsito carregado nos túneis da rodovia dos Imigrantes.

Após enfrentar a viagem cansativa, o turista ainda era obrigado a exercitar a paciência até conseguir encontrar vagas para estacionar o carro, raras em dias de sol e folga prolongada.

Já na praia, sob um calor de mais de 30° C, era difícil manter o isolamento na faixa de areia, onde era possível ver guarda-sóis próximos um dos outros nas praias das Astúrias, Pitangueiras e Enseada.

Em Pitangueiras, com o mar claro, ficou fácil de ver, dos pontos mais altos, diversas tartarugas-marinhas no mar, corroborando com a boa qualidade da água no local, que ostentava bandeira verde, segundo a Cetesb.

Mais afastado da água e aproveitando o sol escaldante, por volta das 13h30, estava o gerente financeiro Alexandre Assis, 34, que procurou um ponto fora da aglomeração na praia das Astúrias para se bronzear.

Segundo ele, que é morador do Tatuapé (zona leste de São Paulo), sua fase de curtir blocos já passou.

"Eu prefiro a praia do que o bloco. É muita briga, roubo, muita muvuca. A praia você vem, fica na sua. Pelo menos é o que eu penso hoje."

Assis fez questão de reclamar da elitização do Carnaval, que, em sua avaliação, ficou clara com a proibição do Carnaval de rua, mas a liberação de eventos privados. "Tiraram da rua e privatizaram para você ir num evento privado", afirmou.

Em Pitangueiras, outra praia do Guarujá, um grupo de 15 amigos confraternizava sob o guarda-sol quando a reportagem os entrevistou. Vindos de bairros como Pinheiros (zona oeste), Moema e Ipiranga (zona sul), eles se disseram amantes dos blocos de rua e citaram alguns, como "Casa Comigo", "Vou de Táxi" e "Tarado Ni Você''.

No entanto, todos foram unânimes em dizer que a condição atual da pandemia os fez deixar de curtir os blocos e procurar pelo litoral.

"Mesmo se tivesse, eu não iria. A viagem é mais tranquila. Deixa para quando passar [a pandemia], a gente volta com tudo", disse o publicitário Matheus Verano, 26.

Enquanto a reportagem finalizava a conversa com Verano, seu amigo, o administrador Pedro Sá, 27, teceu críticas ao veto ao Carnaval público. "Se é um problema de saúde, não importa se é aberto ou fechado, Covid está em em todo lugar", afirmou.

Já a enfermeira Gabriela Luduvico, 27, que faz parte do mesmo grupo, pontuou que a diferença entre estar na praia e no bloco é o espaço. "A praia é um ambiente aberto. Não estou perto da galera. Depois da praia, a gente vai para casa", disse.