|
  • Bitcoin 121.439
  • Dólar 5,0555
  • Euro 5,2186
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 11/03/2022, 15:51

Rússia e EUA trocam acusações sobre armas biológicas na Ucrânia em sessão da ONU

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 11 de março de 2022


AUTOR autor do artigo

menu flutuante

GUARULHOS, SP (FOLHAPRESS) - As constantes acusações do governo de Vladimir Putin de que os Estados Unidos estariam usando a Ucrânia como território para teste de armas químicas -algo descrito por Washington como absurdo- chegou ao Conselho de Segurança da ONU, que, a pedido de Moscou, debateu o assunto em sessão na manhã desta sexta (11).

O governo de Joe Biden nega reiteradamente que esteja operando laboratórios de armas biológicas no país, hoje palco de uma guerra, e argumenta que Putin usa a acusação como uma espécie de bandeira falsa para que, assim, possa iniciar um ataque com dispositivos do tipo.

Durante a sessão, a diplomacia russa alegou possuir documentos que comprovam a existência de 30 laboratórios onde armas biológicas são desenvolvidas no território ucraniano, em cidades como a capital Kiev e Odessa, área portuária. Neles, estariam sendo armazenados e desenvolvidos patógenos causadores de doenças como cólera e tularemia.

Os espaços fariam parte de um programa militar introduzido por Kiev com apoio do governo americano, e a ideia seria disseminar os patógenos por meio de hospedeiros como morcegos e aves migratórias, alegou o representante russo na ONU, Vasili Nebenzia.

O diplomata disse que centenas de contêineres do programa de armas químicas teriam sido localizados por agentes russos, muitos perto da fronteira entre os dois países. E instou a União Europeia (UE), bloco que a Ucrânia almeja integrar, a agir: "Ao lado de vocês estão laboratórios de teste com armas biológicas que poderiam culminar em uma disseminação descontrolada, como foi com o coronavírus", disse.

As alegações foram novamente descritas como uma bandeira falsa pelos EUA. A diplomata Linda Thomas-Greenfield, representante americana, retrucou que Moscou tenta usar o Conselho de Segurança para legitimar uma alegação infundada e, assim, criar base de sustentação pública para a ação de Putin na Ucrânia.

"A Rússia tem o histórico de acusar países de cometerem violações que ela mesmo está cometendo", afirmou. "E acreditamos fortemente que a Rússia, que há anos apoia o regime de Bashar Al Assad, que usa armas químicas da Síria, também planeja usar armas do tipo na Ucrânia."

Segundo Greenfield, os EUA têm programas de cooperação com a Ucrânia na área da saúde, mas para avançar na capacidade de detecção de doenças, como é o caso da Covid, preocupante no país.

A representante dos EUA sustentou-se na chancela dada pelas Nações Unidas. Já na abertura da reunião, Izumi Nakamitsu, subsecretária-geral da ONU para assuntos de desarmamento, disse que a organização não tem conhecimento de nenhum programa de armas químicas e biológicas em andamento na Ucrânia.

Pesquisa, produção e armazenamento de dispositivos do tipo são proibidos desde 1972 pela Convenção de Armas Biológicas, tratado assinado por 183 nações desde então -Rússia e Ucrânia fazem parte. A convenção tem dispositivos próprios para que países-membros apontem preocupação sobre o desenvolvimento de armas biológicas por outros membros, mas que foram pouco usados até aqui.

Nakamitsu, descartando a acusação russa, destacou estar "seriamente preocupada" com a situação das usinas nucleares de Tchernóbil e Zaporíjia, esta a maior da Europa, tomadas por tropas russas. "Qualquer acidente envolvendo teria consequências sérias para a população e o ambiente. É preciso que aqueles sob controle das estruturas assegurem sua manutenção e operação segura."

Outras preocupações humanitárias foram destacadas durante a sessão, com as Nações Unidas atualizando números da guerra. Os dados mais recentes apontam que pelo menos 564 civis morreram no conflito. Ao menos 26 estabelecimentos de saúde foram atacados na Ucrânia, levando à morte de 12 pessoas. Mais de 1.000 foram feridos.

A ONU ainda disse ter evidências do uso de bombas de fragmentação pela Rússia, artefatos projetados para que, ao serem detonados sobre a terra, fragmentem-se em pequenas bombas que se dispersam numa ampla zona onde permanecem ativadas de forma permanente. Organizações humanitárias como a Cruz Vermelha começaram a enviar equipes extras para ajudar a população a retirar as armas do território.

Países como França, Noruega e Reino Unido rechaçaram as alegações russas. Assim como os EUA, disseram que os argumentos e a convocação da reunião tinham como único propósito distrair a comunidade internacional dos ataques russos na Ucrânia, já na terceira semana.

O Brasil, membro rotativo do Conselho de Segurança, que vinha subindo o tom crítico à ação russa, não condenou as alegações, evitando críticas a Moscou.

O embaixador Ronaldo Costa Filho usou sua fala para condenar o uso de armas biológicas, mas sem condenar a ação da diplomacia russa, e afirmar que os mecanismos da convenção de 1972 precisam ser fortalecidos. "O Brasil acredita que toda acusação de produção ou uso de armas biológicas é extremamente preocupante e deve ser apresentada com informações sólidas", limitou-se a dizer.

A sessão também repetiu a fórmula que tem sido observada desde o início da guerra: China, Índia e Emirados Árabes Unidos, aliados da Rússia em fóruns diplomáticos ou dependentes em armamentos, limitaram-se a dizer que condenam o uso de armas biológicas.

A China, aliás, subiu o tom em relação aos EUA. Disse receber com preocupação as informações apresentadas pela diplomacia russa e criticou os EUA, que, disse o representante chinês, Zhang Jun, teriam mais de 300 laboratórios de armas biológicas pelo mundo.

Pequim também saudou a reunião entre os chanceleres russo, Serguei Lavrov, e ucraniano, Dmitro Kuleba, na Turquia, nesta quinta. A conversa não teve qualquer resultado prático. Zhang Jun, porém, disse vê-la como mais um passo positivo para alcançar a paz.

Ainda que a Ucrânia não seja membro do Conselho de Segurança, o órgão convidou o país a enviar um representante para a reunião. O embaixador Sergi Kislitsia disse lamentar que o espaço estivesse sendo usado por Moscou para manipulação. Negando brevemente a posse de armas químicas, usou sua fala para listar o caos humanitário.

Ponto sensível foi o ataque a uma maternidade na quarta (9), que, segundo autoridades do país, deixou três mortos e 17 feridos. O representante russo, Vasili Nebenzia, voltou a negar a autoridade russa pelo ataque. Disse que a foto de uma mulher grávida ferida na ocasião, que estampou páginas de diferentes jornais, era falsa.

Em resposta, Sergi Kislitsia mostrou uma foto da mulher que, disse, chama-se Mariana. Ela teria dado à luz na noite de quinta. A bebê, Verônica, estaria bem. O diplomata de Kiev aproveitou o momento para clamar novamente por ajuda internacional.