|
  • Bitcoin 143.794
  • Dólar 4,8425
  • Euro 5,1645
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 14/03/2022, 20:17

Queiroga deixa de usar máscara após flexibilização no DF

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 14 de março de 2022

RAQUEL LOPES
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, apareceu sem máscara no Ministério da Saúde nesta segunda-feira (14). Ele disse que a flexibilização do uso de máscara nos estados está relacionada à desaceleração da pandemia do novo coronavírus.

O ministro largou esse item por conta do decreto do governador Ibaneis Rocha, que flexibilizou o seu uso no Distrito Federal. Pela regra, a máscara deixou de ser obrigatória em locais abertos e fechados. Outros estados e municípios também já realizaram a flexibilização.

"Isso decorre da situação de desaceleração da pandemia no Brasil. Em muitos estados já há o controle, como é o caso da cidade do Rio de Janeiro, estado de São Paulo. E os estados estão flexibilizando o uso das máscaras. Vocês sabem que o Supremo Tribunal Federal deu competência a estados e municípios para dispor a cerca desse tema em conjunto com a União", disse o ministro.

"Então nós estamos trabalhando junto com os estados e municípios para por fim a essas medidas restritivas que incomodam as pessoas, mas que seguramente foram importantes no combate à pandemia", continuou.

No entanto, o ministro ressaltou que as pessoas imunossuprimidas e idosas, que têm maior possibilidade de desenvolver formas graves da doença, devem ter mais cautela com as medidas não farmacológicas.

Queiroga passou a tratar como prioridade rebaixar o status da Covid-19 de pandemia (quando há uma situação de emergência sanitária global) para endemia (estágio de convivência com o vírus, com número estável de casos e mortes).

A ideia já vinha sendo discutida na pasta, mas ganhou fôlego após o presidente Jair Bolsonaro (PL) apoiar publicamente a mudança de status da crise sanitária.

Técnicos da pasta ficaram com a tarefa de acompanhar o impacto das festas de Carnaval na doença, além de outros indicadores, como cobertura vacinal, e entregar na segunda metade do mês uma análise sobre o cenário da Covid no Brasil.

A Saúde deve decidir sobre a mudança até o fim deste mês.

Como mostrou o jornal Folha de S.Paulo, a ideia principal do ministro é encontrar uma forma de defender o fim de restrições contra o vírus, como o uso obrigatório das máscaras. Queiroga também tem afirmado a aliados que deseja ser reconhecido como o gestor que terminou com a crise sanitária no Brasil.

Mas a mudança esbarra principalmente no aval para uso emergencial de vacinas e medicamentos, que pode terminar com o fim da crise sanitária. A equipe jurídica da Saúde avalia se é possível montar uma regra excepcional para manter esses produtos em uso.

Queiroga disse nessa segunda que precisa fazer uma análise de todas as normas antes de tomar qualquer decisão.

"Nós vamos fazer com responsabilidade, dialogando com os poderes. Muitas medidas foram editadas por conta da medida sanitária e nós não podemos interromper as políticas públicas que, afinal de contas, foram elas que permitiram que chegassem ao estágio atual", destacou Queiroga.