|
  • Bitcoin 125.231
  • Dólar 5,0741
  • Euro 5,2058
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 05/03/2022, 12:17

Putin diz que busca 'destruir parcialmente' as Forças Armadas ucranianas

PUBLICAÇÃO
sábado, 05 de março de 2022

IGOR GIELOW
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse neste sábado (5) que o objetivo declarado de desmilitarizar a Ucrânia passa por "destruir parcialmente as forças" do país vizinho, notadamente seu poder aéreo.

Algo surpreendente, a admissão do chefe de Estado, de resto confirmando o que se vê em solo desde que ele iniciou a invasão no dia 24 passado, foi além. "Isso leva um determinado período", disse.

"Eu ouvi muitas pessoas falarem que a operação estava com problemas. Isso não é verdade", disse, durante um coreografado encontro com funcionárias da empresa aérea estatal Aeroflot em Moscou. É a segunda vez que ele fala sobre o tema: havia dito em pronunciamento na TV que a invasão corria "de acordo com o plano".

Se está passando recibo ou dizendo a verdade, ninguém saberá. Os relatos de dificuldades de avanço das forças russas, devido a erros táticos como a dispersão inicial de forças, além de questões logísticas com linhas de suprimentos, se avolumam entre analistas ocidentais --os seus colegas russos estão hoje em moratória de comentários, dada a censura imposta no país, que pode levar quem falar algo considerado indevido à cadeia.

De todo modo, a ideia de uma incapacitação da força militar ucraniana se encaixa em diversos cenários da meta do Kremlin com a ação. Desde a mais benigna, uma tentativa de forçar um acordo que retire de vez áreas russófonas do controle de Kiev e obtenha uma garantia formal de não adesão do rival à Otan (aliança militar ocidental), até a explosiva ocupação de todo o país.

Ele também voltou a dizer que as sanções ocidentais contra seu país são equiparáveis a uma escalada militar. "As sanções que estão sendo impostas são semelhante a uma declaração de guerra, mas graças a Deus não chegamos a isso", disse, completando que elas são "uma ameaça para todos".

Repetiu o argumento de que colocou suas forças nucleares em alerta no domingo passado (27) porque políticos de países da Otan, como o premiê britânico Boris Johnson, haviam dado declarações belicosas contra a Rússia.

Afirmou que o governo russo está preparado para lidar com as sanções, e sugeriu que achará uma solução para que a Aeroflot siga voando --como, não se sabe, já que Boeing e Airbus anunciaram que não vão mais atender a empresa, que tem 177 de seus 187 aviões das fabricantes ocidentais.

No encontro, Putin reafirmou seus argumentos para justificar a invasão. Em resumo, que a Ucrânia se transformaria numa ameaça à Rússia se entrasse na Otan e permitisse a introdução de armas nucleares, "com a ajuda dos americanos", próprias ou de outras potências.

E que as populações russófonas do Donbass (leste do país), autônomas desde 2014, seguiriam sob ataque devido ao caráter neonazista de elementos do governo de Kiev. Ambas as acusações amplificam de forma distorcida duas realidades.

Primeiro, de que a entrada da Ucrânia na aliança colocaria forças rivais, mas não necessariamente nucleares, muito menos uma bomba ucraniana, às suas portas.

Segundo, há no vizinho grupos de inspiração neonazista, o que é diferente de dizer que o governo é isso. Curiosamente, depois de dizer que havia "drogados e neonazistas" no poder em Kiev, particularizou sua crítica. "Há radicais. Nós temos alguns imbecis aqui na Rússia sim, radicais. Mas não saímos protegendo essas pessoas, que vão com bandeiras às ruas".

Em meio a boatos na Rússia de que poderia fazer uma mobilização militar para reforçar seu esforço de guerra, Putin negou a possibilidade. "Não estamos pensando em alistamento complementar. Temos o número suficiente de militares nas forças profissionais [na guerra]", disse.

No seu primeiro comentário sobre a negativa da Otan em tentar estabelecer uma zona de exclusão aérea sobre a Ucrânia, pedido do governo sob ataque, Putin disse que a medida seria catastrófica.

"Isso teria consequências catastróficas para a Europa, e o Ocidente entendeu isso. Acho que foi o caminho mais acertado", disse. Tal medida implicaria fazer a Otan lutar contra a Rússia, inevitavelmente, e a Ucrânia acusou a aliança militar de ser fraca e insegura, condenando civis do país a serem bombardeados.