|
  • Bitcoin 105.148
  • Dólar 5,2019
  • Euro 5,4318
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 24/02/2022, 01:35

Putin anunciou ataque a Ucrânia enquanto ONU debatia a crise (1)

PUBLICAÇÃO
quinta-feira, 24 de fevereiro de 2022

RAFAEL BALAGO
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

WASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) - Na noite desta quarta (23), a ONU realizou uma reunião de emergência do Conselho de Segurança para debater a crise entre Rússia e Ucrânia. O encontro começou perto de 21h40 em Nova York (23h40 em Brasília).

O primeiro discurso foi de Antônio Guterres, secretário-geral da ONU. Ele fez um apelo claro ao presidente russo Vladimir Putin: "Se uma operação está sendo preparada, eu só tenho uma coisa a dizer: impeça suas tropas de atacar a Ucrânia. Dê uma chance a paz. Muitas pessoas já morreram."

A operação estava prestes a estourar. Poucos minutos após a fala de Guterres, Putin anunciou em discurso na TV estatal russa uma operação militar em território ucraniano.

A reunião na ONU, no entanto, prosseguiu no mesmo tom por mais de uma hora. Os representantes dos integrantes do Conselho de Segurança seguiram lendo seus discursos em que pediam, de modo geral, para resolver a questão por modos diplomáticos, apesar dos alertas da gravidade da situação.

Linda Thomas-Greenfield, representante dos EUA, fez um dos discursos mais incisivos. "Estamos aqui esta noite porque acreditamos que uma invasão de escala completa da Ucrânia pela Rússia é iminente. Nesta noite, vimos a Rússia fechar o espaço aéreo, mover tropas para o Dombass e mover forças para posições de combate.

O embaixador Ronaldo da Costa Filho falou em nome do Brasil. "Os relatos sobre a movimentação de tropas em certas áreas da Ucrânia geram grande preocupação. A ameaça ou o uso de força contra a integridade territorial, soberania e independência política de um estado-membro da ONU é inaceitável", disse.

A reunião do CS é presidida por Vasily Nebenzya, representante da Rússia. A posição de liderança do colegiado é rotativa e muda a cada mês. Segundo o jornal The Guardian, ele disse aos repórteres: "Estou começando a gostar das reuniões noturnas."

A vez de Nebenzya falar em nome de seu país veio cerca de uma hora após o anúncio de Putin, e a partir daí houve maior tensão. Depois de fazer vários ataques ao governo ucraniano e de dizer que o Ocidente não se importava com o sofrimento dos moradores nas áreas separatistas da Ucrânia, o embaixador comentou a fala de Putin. "O objetivo da operação é proteger as pessoas que, por oito anos, tem sofrido genocídio por parte do governo de Kiev.

O representante ucraniano, Sergiy Kyslytsya, falou em seguida. "Minutos atrás, o embaixador da Rússia confirmou que seu presidente declarou guerra ao meu país. Quando cheguei aqui, uma hora atrás, eu pretendia pedir ao embaixador russo para confirmar em público que as tropas russas não iriam começar a atirar em ucranianos hoje. Mas isso se tornou inútil. Então agora gostaria de pedir ao embaixador para dizer se estes movimentos das tropas não vão bombardear cidades ucranianas", questionou.

"Isso não se chama guerra. Isso se chama uma operação militar especial no Donbass", respondeu Nebenzya.

A reunião foi encerrada por volta das 23h (1h de quinta em Brasília), sem o anúncio de medidas. A Rússia é um dos membros permanentes do Conselho e, como tal, tem poder de veto para barrar resoluções. Assim, é capaz de conter medidas que a prejudiquem. O colegiado pode aplicar sanções internacionais e ordenar o envio de forças de paz, entre outras funções. Atualmente, a Rússia é também a presidente do Conselho —a posição é rotativa e muda a cada mês.

Esta foi a segunda reunião de emergência do CS em três dias. Na segunda (21), os representantes também fizeram um encontro noturno, que terminou também sem a adoção de medidas.