|
  • Bitcoin 143.166
  • Dólar 4,8704
  • Euro 5,1419
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 30/03/2022, 09:11

Próximo governador de SP deve escolher 4 dos 7 conselheiros do Tribunal de Contas do estado

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 30 de março de 2022

FÁBIO ZANINI
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Dos sete conselheiros que compõem o TCE-SP (Tribunal de Contas do Estado de São Paulo), quatro se aposentarão nos próximos quatro anos, já que chegarão aos 75 anos.

Dessa forma, o próximo governador do estado provavelmente fará escolhas que influenciarão por décadas um dos principais órgãos das políticas públicas paulistas, responsável, por exemplo, por aprovar ou reprovar contas dos gestores e por, após análises técnicas, suspender ou liberar licitações e obras no estado.

O TCE-SP é a maior corte estadual de contas do Brasil, que tem sob sua jurisdição 644 prefeituras e a administração direta e indireta do governo do estado. A capital tem sua própria corte, o TCM (Tribunal de Contas do Município).

Nascido em setembro de 1948, o conselheiro Edgard Rodrigues deixará a Corte em 2023. Robson Marinho (janeiro), Roque Citadini (setembro) e Sidney Beraldo (novembro), de 1950, sairão em 2025.

As vagas de Marinho e Citadini serão preenchidas a partir de uma escolha direta do governador, e as de Rodrigues e Beraldo, por indicação da Assembleia Legislativa de São Paulo, segundo as regras de revezamento estabelecidas pela Constituição do estado.

Tradicionalmente, no entanto, o governador tem forte poder de influência na decisão da própria Alesp. Em 2012, por exemplo, ainda que grupos de parlamentares tivessem preferência por outros nomes, o então governador Geraldo Alckmin (PSB) articulou junto à sua base no Legislativo para que Dimas Ramalho, então deputado federal, fosse o escolhido.

No caso das vagas reservadas ao Legislativo, os deputados votam em plenário para aprovar ou reprovar os nomes indicados. Um governador que não consiga uma forte base de apoio na Alesp nos próximos anos, por exemplo, terá dificuldade em influir na definição dos nomes para o TCE-SP.

Os conselheiros ficam por muitos anos nos cargos, já que os mandatos só são encerrados, normalmente, por aposentadorias compulsórias por limite de idade.

Citadini, por exemplo, é conselheiro desde 1988. Rodrigues, desde 1991. Marinho assumiu em 1997 e Beraldo, por sua vez, em 2012.