|
  • Bitcoin 120.733
  • Dólar 5,0906
  • Euro 5,2449
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 11/03/2022, 18:10

Príncipe Harry e Meghan assinam carta em prol da vacinação contra Covid-19

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 11 de março de 2022


AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Príncipe Harry e Meghan Markle continuam juntando suas forças com outras vozes em prol da vacinação contra a Covid-19.

Junto com outras mais de cem assinaturas vindas de líderes mundiais, cientistas e humannitários, o casal assinou um documento chamado de 'A carta do povo', que tem como objetivo o fim do "monopólio das vacinas" e mais igualdade no acesso a essa proteção, dois anos após o início da pandemia pelo vírus da Covid.

A carta fala diretamente ao Reino Unido e outros países, como Suíça e grande parte da União Europeia por bloquearem "o crescimento de regras de propriedade intelectual, o que levaria à redistribuição e produção em maior escala da vacina contra a covid-19, além de testes e produção de tratamento ao redor do mundo".

Além desta carta, o casal também colaborou com a causa por meio de sua fundação, a 'Archewell', que se tornou um dos 80 membros da 'The People's Vaccine Alliance'. Os representantes desta última disseram que estavam "orgulhosos de acolher a Archewell na Aliança e apreciam o apoio".

A carta se dirigiu aos líderes mundiais: "O modo atual de operar é imoral e inteiramente autodestrutivo, além de um fracasso ético, econômico e epidemiológico. Nós apelamos aos líderes mundiais que acabem com essa estratégia nacionalista contraproducente de proteger monopólios farmacêuticos, e que finalmente ajam com solidariedade. Agora é a hora de renovar os compromissos feitos ao fundarem a OMS, onde todos os estados concordaram em entregar 'o maior padrão alcançável de saúde como um direito fundamental de todo ser humano'.", dizia a carta.

Harry e Meghan já falaram sobre o assunto diversas vezes em público, especialmente no evento do 'Global Citizen Live', que aconteceu em Nova York, em setembro do último ano.