|
  • Bitcoin 121.259
  • Dólar 5,0515
  • Euro 5,2137
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 08/03/2022, 17:22

Preço médio da gasolina chegaria a R$ 7,41 com repasse integral da alta do petróleo, dizem postos

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 08 de março de 2022

NICOLA PAMPLONA
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A Fecombustíveis (Federação do Comércio Varejista de Combustíveis e Lubrificantes) estima que o preço médio da gasolina no país subiria 12,7% nas bombas caso a Petrobras decidisse repassar integralmente a alta das cotações do petróleo após o início da guerra na Ucrânia.

Já o preço do diesel teria alta bem maior, de 29,4%. Ainda assim, o setor de combustíveis é contrário a medidas para controlar os preços, que poderiam por em risco o abastecimento nacional ao inviabilizar importações.

As projeções da Fecombustíveis consideram os preços médios verificados na semana passada pela pesquisa da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis), quando gasolina e diesel custavam, em média, R$ 6,577 e R$ 5,668 por litro, respectivamente.

Com uma elevação de 35% da gasolina pura nas refinarias para repassar as cotações internacionais, diz a entidade, o preço médio de bomba do produto passaria a R$ 7,409 por litro. A estimativa considera que os outros componentes do preço —etanol, impostos e margens— permanecem inalterados.

No caso do diesel, o reajuste necessário nas refinarias seria de 51%, levando o preço médio de bomba a R$ 7,336 por litro, também se alterações nos valores dos outros componentes do preço.

O presidente Jair Bolsonaro (PL) determinou, porém, a busca de alternativas para tentar impedir os repasses sem provocar grandes prejuízos à Petrobras.

O processo tem provocado desencontros entre diferentes alas do governo. Enquanto o próprio Bolsonaro ataca a política de preços da estatal, que prevê a paridade com o mercado internacional, o Ministério de Minas e Energia defende subsídios, considerados temerários pelo Ministério da Economia.

A Petrobras defende um modelo semelhante ao adotado pelo governo Michel Temer durante a greve dos caminhoneiros, no qual recursos do Tesouro são usados temporariamente para compensar refinarias e importadores pela venda de produtos mais baratos do que no mercado internacional.

A gestão da estatal argumenta que não pode vender produtos com prejuízo por força da Lei das Estatais e do próprio estatuto da empresa, que determina o cálculo e o ressarcimento de perdas provocadas pela adoção de políticas que não sigam as condições de mercado.

Para o setor de combustíveis, o represamento de preços gera riscos ao mercado nacional, já que as refinarias nacionais têm condições de abastecer apenas 80% da demanda. Os outros 20% são importados pela Petrobras e por agentes privados.

Importadoras que ganharam mercado no país durante o governo Temer, porém, desistiram de trazer produtos do exterior no cenário atual. Segundo a Abicom (Associação Brasileira das Importadoras de Combustíveis), suas associadas não realizaram operações em 2022.

Única refinaria de grande porte sob operação privada no país, a Refinaria de Mataripe, na Bahia, repassou no sábado (5) parte da alta das cotações internacionais, com aumento de ate 19% na gasolina e até 25% no diesel, dependendo do ponto de entrega.

Após os aumentos, era possível encontrar o litro da gasolina no estado perto de R$ 8.