|
  • Bitcoin 141.951
  • Dólar 4,8152
  • Euro 5,1422
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 22/03/2022, 20:10

'O ministro é pastor, e tem que provar que é honesto', diz Silas Malafaia

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 22 de março de 2022

MÔNICA BERGAMO
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma das lideranças mais próximas do presidente Jair Bolsonaro, o pastor Silas Malafaia, do Rio de Janeiro, afirma que o ministro da Educação, Milton Ribeiro, foi vago na nota em que negou favorecimento a Gilmar Santos e Arilton Moura, dois pastores acusados de fazer lobby e de intermediar a distribuição de recursos do Ministério da Educação (MEC).

Segundo Malafaia, "o ministro é pastor, e tem que provar que é honesto". Para isso, "ele não pode ser genérico nas afirmações. Ele tem que mostrar, com documentos, o que esses dois caras pediram no ministério, se era lícito, o que foi liberado e onde o dinheiro foi parar".

Malafaia afirma que a população brasileira já tem "preconceito quando se fala de dinheiro e de pastor". Por isso, a responsabilidade de Milton Ribeiro, que é pastor presbiteriano, seria redobrada. "Ele tem que agir com transparência total. Na política, não basta ser honesto, o que eu acredito que ele é. Tem que provar", repete.

Malafaia diz que a coisa fica ainda mais séria pois envolve também outros dois religiosos.

"O ministro é pastor e tem pastores envolvidos na história. A transparênciAo menos desde janeiro de 2021 os dois pastores negociam com prefeituras a liberação de recursos federais para obras de creches, escolas, quadras ou para a compra de equipamentos de tecnologia tem que ser a máxima possível", diz ele.

Em conversa gravada obtida pelo jornal Folha de S.Paulo, o ministro afirma que o governo federal prioriza prefeituras cujos pedidos de liberação de verba foram negociados pelos pastores Gilmar Santos e Arilton Moura, que não têm cargo no governo e atuam em um esquema informal de obtenção de verbas do MEC.

Milton Ribeiro diz na gravação que isso atende a uma solicitação do presidente Jair Bolsonaro (PL).

"Foi um pedido especial que o presidente da República fez para mim sobre a questão do [pastor] Gilmar", diz o ministro na reunião, que ocorreu dentro da pasta.