|
  • Bitcoin 124.682
  • Dólar 5,0741
  • Euro 5,2058
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 01/03/2022, 16:15

Membros do PCO são detidos no Rio após briga com MBL sobre guerra na Ucrânia

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 01 de março de 2022

IGOR MELLO
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Militantes do MBL (Movimento Brasil Livre) e do PCO (Partido da Causa Operária) entraram em confronto ao realizarem atos públicos simultâneos em frente ao consulado da Rússia no Rio de Janeiro, na manhã desta terça (1º). Ao menos três membros do PCO foram detidos

O PCO --partido de esquerda radical-- realiza uma série de manifestações de apoio à Rússia em capitais brasileiras. Já o MBL --grupo de direita-- protestava contra a invasão russa à Ucrânia.

De acordo com um vídeo publicado pelo MBL, membros do grupo fizeram provocações ao PCO usando um sistema de som. Em dado momento, ao menos três integrantes do PCO agridem os rivais com golpes de mastros das bandeiras que carregavam.

Não é possível saber pelas imagens se os integrantes do MBL posteriormente revidaram as agressões.

Durante uma transmissão ao vivo dos atos, o Diário da Causa Operária --veículo oficial do PCO-- mostrou imagens de três homens sendo detidos pela Polícia Militar.

Segundo uma nota publicada pelo partido, os três manifestantes detidos se chamam Heinrick, Luan, Vinicius e Caetano. Em uma foto divulgada pelo PCO é possível identificar ao menos dois dos homens que cometeram as agressões.

O partido convocou seus militantes a se reunirem na frente da 14ª DP (Leblon), para onde os três foram levados.

A reportagem procurou a Polícia Civil para ter um posicionamento sobre a detenção dos envolvidos na briga, mas não teve resposta até a publicação desta matéria.

Em movimento de contraposição ao presidente Jair Bolsonaro (PL), dois líderes do MBL decidiram ir à Ucrânia, reforçando as discussões sobre a guerra no debate eleitoral brasileiro.

O deputado estadual Arthur do Val, o Mamãe Falei, pré-candidato ao Governo de São Paulo pelo Podemos, e um dos dirigentes do MBL, Renan Santos, afirmaram nesta segunda (28) estar a caminho do país que sofre ataque da Rússia. Eles dizem que o objetivo é conversar com a população.