|
  • Bitcoin 125.148
  • Dólar 5,0950
  • Euro 5,2509
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 09/03/2022, 22:30

Média de mortes por Covid volta a ficar acima de 500 e a de casos acima de 50 mil

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 09 de março de 2022


AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Brasil registrou 652 mortes por Covid e 49.078 casos da doença, nesta quarta-feira (9). Com esses dados, a média móvel de mortes voltou a ficar acima de 500 e a de casos acima de 50 mil.

A média móvel de óbitos agora é de 505. Apesar de ser maior do que a dos últimos dias, ainda representa uma queda de 36% em relação aos dados de duas semanas atrás.

A média de infecções chegou a 50.677, também um aumento em relação aos últimos dias, mas uma redução de 45% em relação ao dado de duas semanas atrás.

Com os dados desta quarta, o país chega a 653.588 vidas perdidas e a 29.194.042 pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2.

Os dados do país, coletados até 20h, são fruto de colaboração entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são recolhidas pelo consórcio de veículos de imprensa diariamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

Os dados da vacinação contra a Covid-19 foram afetados pelo ataque hacker ao sistema do Ministério da Saúde, ocorrido em dezembro, o que levou à falta de atualização em diversos estados por longos períodos de tempo. Nesta quarta, as informações foram atualizadas em 25 estados e no Distrito Federal.

O consórcio de veículos de imprensa recentemente atualizou os números de população brasileira usados para calcular o percentual de pessoas vacinadas no país. Agora, os dados usados são a projeção do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) para 2022. Todos os números passam a ser calculados de acordo com esses valores, inclusive os do ano passado. Por isso, os percentuais de pessoas vacinadas podem apresentar alguma divergência em relação aos números publicados anteriormente.

O Brasil registrou 710.497 doses de vacinas contra Covid-19, nesta quarta. De acordo com dados das secretarias estaduais de Saúde, foram 149.735 primeiras doses. Também foram registradas 22.158 doses únicas e 612.435 doses de reforço.

As segundas doses ficaram com números negativos (-73.831) devido a um erro de preenchimento no consórcio para o estado de Santa Catarina (-280.682). O estado também ficou com informações negativas quanto às primeiras doses (-11.043) e às doses únicas (-44).

A Bahia teve dados de primeiras doses negativas (-1.059) e o Piauí teve doses únicas negativas (-5).

Ao todo, 173.541.373 pessoas receberam pelo menos a primeira dose de uma vacina contra a Covid no Brasil -151.750.806 delas já receberam a segunda dose do imunizante. Somadas as doses únicas da vacina da Janssen contra a Covid, já são 156.477.175 pessoas com as duas doses ou com uma dose da vacina da Janssen.

Assim, o país já tem 80,78% da população com a 1ª dose e 72,84% dos brasileiros com as duas doses ou com uma dose da vacina da Janssen. Considerando somente a população adulta, os valores são, respectivamente, de 107,27% e 96,72%.

Somente 31,58% da população tomou dose de reforço até o momento.

O consórcio começou a fazer também o registro das doses de vacinas aplicadas em crianças. A população de 5 a 11 anos parcialmente imunizada (com somente a primeira dose de vacina recebida) é de 49,73%. Na mesma faixa etária, 2,94% recebeu a segunda dose ou a dose única.

Considerando toda a população acima de 5 anos, 86,70% recebeu uma dose e 78,18% recebeu duas doses ou a vacina de dose única da Janssen.

Mesmo quem recebeu as duas doses ou uma dose da vacina da Janssen deve manter cuidados básicos, como uso de máscara e distanciamento social, afirmam especialistas.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorreu em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (PL), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.