|
  • Bitcoin 142.278
  • Dólar 4,8349
  • Euro 5,1785
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 28/02/2022, 13:33

MBL se opõe a Bolsonaro, decide ir à Ucrânia e reforça guerra eleitoral

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 28 de fevereiro de 2022

JOÃO PERASSOLO E ARTUR RODRIGUES
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em movimento de contraposição ao presidente Jair Bolsonaro (PL), dois integrantes do MBL (Movimento Brasil Livre) decidiram ir à Ucrânia, reforçando as discussões sobre a guerra no debate eleitoral brasileiro.

O deputado estadual Arthur do Val, o Mamãe Falei, pré-candidato ao Governo de São Paulo pelo Podemos, e um dos dirigentes do MBL, Renan Santos, afirmaram estar a caminho do país que sofre ataque da Rússia. Eles dizem que o objetivo é conversar com a população.

Ambos são apoiadores do projeto presidencial de Sergio Moro (Podemos) e críticos de Bolsonaro. No caso da invasão russa à Ucrânia, também atacam a postura de neutralidade do presidente sobre o assunto.

Em vídeo divulgado nesta segunda (28) no Telegram, Arthur do Val afirmou que ambos estavam em Frankfurt, na Alemanha. "Vamos para Viena, depois vamos pegar um carro, vamos atravessar a Eslováquia", disse.

Renan afirmou que já estava na fronteira com a Ucrânia. Segundo ele, a viagem foi feita com dinheiro próprio.

"A gente tem um presidente covarde, que está na prática do lado do [presidente russo Vladimir] Putin, municiando [de forma negativa] a imagem do nosso país internacionalmente. O concorrente dele, que é líder na pesquisa, o petista, o Lula, a mesma coisa. Que é isso? A gente vai ficar se baseando em quê? Nesse tipo de informação?", disse Arthur do Val à reportagem, por mensagem de áudio.

"Isso aqui é uma guerra do século 21, o celular é como um revólver, cara, é uma guerra de informação", afirmou.

O líder do MBL Renan Santos afirma que a dupla pretende "mostrar outra narrativa", num vídeo divulgado no Telegram. Ambos afirmam ter ido com dinheiro próprio, durante o recesso de Carnaval, e que não estão lá para cumprir agenda política oficial.

Nas redes sociais, diversas pessoas fizeram críticas à viagem. "MBL sempre oportunista para ficar gritando seu extremismo, triste usar uma situação dessa como palanque, já existe uma cobertura jornalística disso, não precisa ficar indo lá", escreveu um usuário do Twitter.

"Riquinhos brasileiros entediados resolvem pagar de blogueiros no meio da guerra...vai dar várias fotos interessantes pro insta e uns likes. Faz uma campanha de doação de grana pra eles q ajuda mais!", disse outro.

Arthur do Val já publicou diversos vídeos do trajeto até a Ucrânia. Quando foi candidato à Prefeitura de São Paulo em 2020, ele adotou estratégia de ir até a cracolândia e fazer publicações de lá. Ele flagrou um confronto entre a guarda e usuários de drogas.

Criticado por adversários por sua aproximação com a Rússia, o presidente Jair Bolsonaro no domingo (27) que não vê a guerra na Ucrânia tendo impacto eleitoral no Brasil e afirmou que está trabalhando gradualmente na construção de alianças para o pleito.

Em entrevista coletiva em um hotel em Guarujá (SP), Bolsonaro disse que "nós não podemos interferir" na guerra da Ucrânia. "Nós queremos a paz, mas não podemos trazer consequências para cá", declarou, ao defender posição de neutralidade do Brasil.

O ex-ministro Sergio Moro, pré-candidato a presidente da República pelo Podemos, disse repudiar "a guerra e a violação da soberania da Ucrânia". O também ex-juiz da Lava Jato criticou o posicionamento do presidente Jair Bolsonaro na crise.