Maior aversão ao risco traz alta de 0,8% ao dólar


SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar reverteu a queda de mais cedo e fechou em alta de 0,8% contra o real, cotado em R$ 5,6460. O movimento veio inicialmente na esteira da tomada de fôlego da moeda no exterior, mas foi intensificado pelas novas declarações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), entendidas como novas ameaças de intervenção à Petrobras críticas à vacinação.

Bolsonaro afirmou que o aumento do preço do gás anunciado pela Petrobras nesta semana, de 39%, é "inadmissível" e, apesar de dizer que não irá interferir na estatal, afirmou que a política de preços da empresa pode mudar. Ele também disse que a pandemia está sendo usada politicamente "para derrubar o presidente" e criticou o foco na busca de uma vacina.

Do lado da Bolsa de Valores brasileira, o dia também foi volátil e o Ibovespa, principal índice acionário do país encerrou a sessão em leve alta de 0,11%, aos 117.623 pontos. Apesar de a percepção sobre a recuperação econômica no exterior ainda ser motivo para otimismo, investidores seguem no aguardo de definições relacionadas ao Orçamento e medidas contra a pandemia de coronavírus.

Entre os principais destaques do dia, Dasa desabou 50%, após precificar oferta de ações a R$ 58 por papel na véspera, abaixo da faixa indicativa estimada para o follow on (oferta subsequente de ações), que estava entre R$ 64,90 e R$ 84,50. A precificação também representou forte desconto ante a cotação de fechamento do papel na terça-feira, de R$ 144,01. A companhia levantou R$ 3,3 bilhões com a operação.

Além disso, também houve movimentação dos investidores que estavam posicionados em CCR. A companhia foi uma das grandes vencedoras do leilão para concessão à iniciativa privada de 22 aeroportos feito pelo governo nesta quarta. A companhia desembolsou R$ 2,88 bilhões para levar os 9 terminais do Bloco Sul, o mais cobiçado, e outros R$ 754 milhões para o Bloco Central.

O ágio das aquisições, no entanto, foram considerados caros pelo mercado e as ações encerraram a sessão em queda de 1,59%, a R$ 12,99.

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Últimas notícias

Continue lendo