|
  • Bitcoin 104.567
  • Dólar 5,2958
  • Euro 5,5180
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 28/02/2022, 16:29

Madonna compara Putin a Hitler, e Margaret Atwood condena invasão Ucrânia

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 28 de fevereiro de 2022


AUTOR autor do artigo

menu flutuante

CAMPINAS, SP (FOLHAPRESS) - Nos últimos dias, a cantora Madonna não poupou postagens em suas redes sociais para condenar a invasão russa na Ucrânia, com direito a uma montagem sobre fotos e vídeos da guerra e o compartilhamento de um quadro em que o presidente Vladimir Putin é retratado como o ditador alemão Adolf Hitler.

Em sua conta no Instagram a rainha do pop acumula quase 18 milhões de seguidores, e nos últimos dias tem feito postagens chamando seus seguidores a ajudarem as vítimas do conflito. Preparou também um clipe de 30 segundo, já visto quase 14 milhões de vezes, em que une um remix do clipe de "Sorry", imagens da guerra e sobreposições de Putin a um desenho de Hitler e a palavra "mentiras".

"A invasão da Rússia à Ucrânia, sem sentido e movida pela ganância, deve ser interrompida!", escreveu ela no post.

Compartilhou ainda um vídeo informativo do americano jornal The New York Times sobre o ataque do exército russo, bem como uma imagem do quadro do pintor espanhol Jesús Arrúe, em que Putin usa o bigode do ditador alemão, além de um sobretudo com a faixa nazista e um corvo sobre a cabeça, que ataca um pomba branca da paz. Logo abaixo dele há a palavra assassino, em inglês.

Não é a primeira vez que a cantora se manifestou politicamente. Antes, ela já havia criticado a guerra no Iraque e atitudes do ex-presidente americano Donald Trump.

Além da cantora, a escritora Margaret Atwood, autora de "O Conto da Aia" assinou uma petição da PEN International ao lado de mais mil escritores contra a guerra. A carta aberta, que pede o fim do derramamento de sangue iniciado na última semana, tem ainda assinaturas de vencedores do Nobel, como Olga Tokarczuk, Orhan Pamuk e Svetlana Alexievich, e outros escritores célebres como Salman Rushdie, Tsitsi Dangarembga, Paul Auster e Jonathan Franzen.

"Estamos unidos na condenação de uma guerra sem sentido, travada pela recusa do presidente Putin em aceitar os direitos do povo ucraniano de debater sua futura lealdade e história sem a interferência de Moscou", aponta a carta. "Estamos unidos em apoio a escritores, jornalistas, artistas e todo o povo da Ucrânia, que está vivendo seus momentos mais sombrios".

Atwood também aproveitou as redes sociais para mostrar sua solidariedade aos ucranianos, postando uma foto sua, em um protesto em Toronto contra a guerra.

A atriz Milla Jovovich, que nasceu na Ucrânia, engrossou o coro com uma publicação em seu Instagram lamentando a guerra e relembrando suas raízes.

"Lembro-me da guerra na antiga Iugoslávia, terra natal de meu pai, e das histórias que minha família conta sobre o trauma e o terror que vivenciaram", escreveu. "Guerra. Sempre guerra. Líderes que não podem trazer a paz. O rolo compressor sem fim do imperialismo. E sempre, as pessoas pagam com derramamento de sangue e lágrimas."

Anteriormente, nomes como os apresentadores Luciano Huck e Marcos Mion, o cantor The Weeknd e o ator Mark Ruffalo já haviam se manifestado contra a invasão. O ator e diretor Sean Penn também está na Ucrânia, registrando um documentário sobre o conflito.