|
  • Bitcoin 124.500
  • Dólar 5,0721
  • Euro 5,1927
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 01/03/2022, 21:21

Líderes do PSB destoam de outras siglas de esquerda e condenam invasão russa

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 01 de março de 2022

FÁBIO ZANINI
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Líderes do PSB têm destoado de outros partidos de esquerda, como PT, PSOL e PCdoB, ao condenar claramente a invasão à Ucrânia.

"Não tenho simpatia pela Otan, é um entulho da Guerra Fria, mas é um assunto dos ucranianos", diz o governador Flávio Dino (MA), que acrescenta ser um erro legitimar a ação russa por causa da aliança ocidental.

Na semana passada, dirigentes de PT, PSOL e PCdoB atribuíram à expansão da Otan parte da responsabilidade pela situação que levou à ação militar comandada pelo presidente Vladimir Putin.

Segundo Dino, sua defesa da soberania ucraniana é baseada na Constituição brasileira, que consagra a defesa da autodeterminação dos povos.

"Se amanhã o Brasil retomar um projeto de política externa independente, como a Unasul [União de Nações Sul-Americanas], então os EUA não vão nos deixar?".

Para o governador, que deve deixar o cargo no início de abril para disputar o Senado, o dilema da esquerda nesse momento é até certo ponto natural.

"De um modo geral, a esquerda fica em muito dúvida, por causa da nossa formação anti-imperialista, mas é em razão dessa formação que devemos sustentar a autodeterminação dos povos".

Na mesma linha, o deputado federal Marcelo Freixo (RJ), que deve ser o candidato do PSB ao governo do Rio de Janeiro, disse em uma rede social que "a violação da soberania da Ucrânia tem que ser condenada por todos nós que defendemos a autodeterminação dos povos e a solução pacífica de conflitos".

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, afirma que o partido não adotou posição unificada com relação ao conflito, e que suas lideranças são livres para se manifestar.

"Nosso símbolo é a pomba da paz, somos contra a guerra", disse. Segundo ele, a guerra era esperada, dado o crescimento da animosidade entre os dois países nos últimos meses.

"A Rússia tem essa visão expansionista, como sabemos. Não somos favoráveis a expansionismo nenhum, porém houve movimentos provocados pelo Ocidente. As duas partes têm culpa", afirma.

O PSB vem procurando demarcar sua autonomia com relação ao PT, e a possibilidade de formar uma federação entre os partidos parece estar cada vez mais distante.