Júri absolve PM suspeito pela morte de jovem na zona sul de SP


SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O 1º Tribunal do Júri da Capital absolveu no final da noite desta quarta (13) o sargento da Polícia Militar Adriano Fernandes de Campos, 43 anos, um dos suspeitos pelo sequestro e morte do adolescente Guilherme Silva Guedes, 15, em junho do ano passado, na zona sul de São Paulo. O réu foi inocentado por maioria dos sete jurados.

Segundo a sentença de absolvição, não há prova suficiente para a condenação do policial, que está preso no Presídio Militar Romão Gomes, na Vila Albertina (zona norte da capital paulista). A Justiça determinou que seja expedido, com urgência, o alvará de soltura de Campos.

O adolescente foi levado da frente da casa de sua avó, na Vila Clara, e teve o corpo encontrado no cruzamento da avenida Alda com a travessa da Saúde, no bairro Eldorado, no limite entre São Paulo e Diadema. Ele foi baleado.

De acordo com a investigação, imagens captadas do ponto onde o adolescente estava indicaram a presença de Campos, que à época estava lotado no 6° Baep (Batalhão de Ações Especiais de Polícia) de São Bernardo do Campo (na Grande São Paulo).

O advogado criminalista Mauro Ribas, que defende o sargento, afirmou antes do julgamento que o seu cliente não cometeu o crime e é inocente.

A morte do garoto provocou dois dias de protestos, com ônibus queimados e vandalizados.

Segundo as investigações da DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), que deram base à denúncia do Ministério Público contra o policial, na noite de 13 de junho alguns garotos invadiram um canteiro de obras na rua Álvaro Fagundes, espaço em que a segurança estava sob responsabilidade da Campos Forte Portarias, empresa da qual o sargento seria um dos sócios.

Assim que tomou conhecimento sobre a invasão, de acordo com a denúncia, o sargento teria, junto com o ex-PM Gilberto Eric Rodrigues, que atuava como vigilante, iniciado uma busca a pé nas ruas no entorno do galpão para encontrar os garotos. Ao chegarem à rua Rolando Curti, teriam abordado Guedes, que havia deixado a casa onde morava com a avó há pouco tempo e nada tinha a ver com a invasão.

Como Rodrigues estava foragido, o processo pela morte de Guedes foi desmembrado. Com isso, Rodrigues ainda deve passar por uma audiência de instrução antes da decisão se vai ou não para júri popular.

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Últimas notícias

Continue lendo