|
  • Bitcoin 103.629
  • Dólar 5,3359
  • Euro 5,5329
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 10/03/2022, 17:38

Flávio Bolsonaro confunde MST e MTST ao criticar aceno de Lula aos sem-teto

PUBLICAÇÃO
quinta-feira, 10 de março de 2022

FÁBIO ZANINI
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) confundiu o MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto) e o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) ao criticar Luiz Inácio Lula da Silva (PT) por ter gravado vídeo para o primeiro.

Como revelou a coluna Painel, da Folha de S.Paulo, o MTST decidiu que apoiará o petista nas eleições, e Lula então gravou um vídeo em agradecimento, no qual diz que o movimento terá protagonismo em seu governo caso seja eleito.

Flávio compartilhou reprodução da reportagem e escreveu "pessoal do campo, o ladrão de nove dedos vai tirar sua arma, sua casa e sua liberdade! Você que trabalha e produz não vai ter direitos, sabe quem vai ter direitos? O vagabundo que invadiu sua terra".

No entanto, quem tem atuação no campo é o MST, enquanto o MTST tem foco em áreas urbanas.

Guilherme Boulos, líder do MTST, retrucou Flávio.

"Faz rachadinha com o Queiroz, compra mansão de R$ 6 milhões sem explicar a fonte, indica seu advogado pra uma boquinha no Ministério da Justiça. E acha que tem moral pra chamar alguém de vagabundo. Logo você, Flávio Bolsonaro, o maior vagabundo da República", escreveu.

Outro filho de Jair Bolsonaro (PL), o deputado Eduardo Bolsonaro (União Brasil-SP), também comentou o tema.

"Se Lula, sem estar na presidência, já negocia até propriedade que não é dele em troca de apoio (aqui de Boulos/PSOL), imagine o que ele já não prometeu sobre ministérios e estatais. Nós queremos a paz, mas tem gente que não respeita a propriedade privada e deseja o conflito", disse, e também recebeu resposta de Boulos.

"Você não é aquele moleque que queria ganhar uma embaixada de presente do papai? Lava a boca pra falar do MTST, Bananinha!", publicou.

Lula diz na gravação que eles voltarão a governar o país e que o membros do MTST não serão coadjuvantes, mas sujeitos da História, porque "terão que ajudar a construir programas, vão ter que ajudar a conquistar e vão ter que ajudar a governar."

"Vamos nos encontrar muitas vezes para discutir a qualidade da casa, como gerenciar essas casas, e vocês irão assumir a responsabilidade, como já assumiram em vários lugares em que assumiram conjuntos habitacionais de muita qualidade", afirma.