|
  • Bitcoin 150.574
  • Dólar 5,0617
  • Euro 5,2708
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 13/03/2022, 16:07

FHC é operado após fraturar fêmur e se recupera bem, diz assessoria

PUBLICAÇÃO
domingo, 13 de março de 2022


AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), 90, passou por uma cirurgia, neste domingo (13), devido a uma fratura no fêmur e passa bem, de acordo com sua assessoria de imprensa.

FHC foi internado no hospital Albert Einstein, em São Paulo, na sexta-feira (11), após cair em casa e sofrer a fratura.

Segundo sua assessoria, a cirurgia foi realizada com sucesso, o ex-presidente se recupera bem e não há previsão de alta.

A necessidade de uma cirurgia foi divulgada em boletim médico do hospital no sábado (12). A nota, assinada pelos médicos José Medina Pestana e Miguel Cendoroglo Neto, afirma que FHC teve uma fratura de colo de fêmur.

A internação foi confirmada pelo PSDB no Twitter. O partido não informou como ocorreu a fratura, mas, segundo a reportagem apurou, o ex-presidente sofreu uma queda em casa.

"Receba o abraço dos tucanos de todo o Brasil", publicou o partido.

Segundo Ancelmo Gois, do jornal O Globo, que noticiou a internação, Fernando Henrique sofreu um acidente e a internação o impossibilitou de comparecer à posse do jornalista e escritor Merval Pereira na presidência da Academia Brasileira de Letras. A posse, em sessão solene, ocorreu nesta sexta, no Rio de Janeiro.

A última declaração pública do ex-presidente foi no dia 25 de fevereiro, sobre a guerra na Ucrânia. "Condeno a invasão da Ucrânia por tropas russas a mando do presidente Putin. Litígios se resolvem por negociação nunca pela imposição da força", disse.

Também por razões de saúde, FHC não compareceu à votação de prévias do PSDB em Brasília, em novembro passado. Em maio, porém, ele se encontrou com o ex-presidente Lula (PT), gerando repercussão no meio político.

FHC foi eleito presidente da República em 1994 e permaneceu no cargo até 2002, quando foi sucedido por Lula. Antes disso, foi ministro da Fazenda do governo Itamar Franco, quando elaborou o Plano Real.