|
  • Bitcoin 143.767
  • Dólar 4,8270
  • Euro 5,1492
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 25/02/2022, 13:03

Famosos e anônimos que fazem o Carnaval lamentam o segundo ano sem festa de rua

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 25 de fevereiro de 2022

MATHEUS ROCHA, JOÃO PEDRO PITOMBO, JOSÉ MATHEUS SANTOS E MARIANA ZYLBERKAN
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

RIO DE JANEIRO, RJ, SALVADOR, BA, RECIFE, PE, SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Se antes da pandemia a chegada de fevereiro era sinônimo de paetê, purpurina e blocos na rua, com o coronavírus o mês perdeu o brilho e virou motivo de tristeza. É essa a palavra que foliões espalhados pelo país usam para explicar como é passar mais um ano sem o Carnaval, evento que foi cancelado ou adiado nos estados em razão da pandemia.

Quem achou que poderia tirar a fantasia do guarda-roupa e aproveitar a folia em 2022 acabou se frustrando quando a variante ômicron obrigou as autoridades a suspenderem mais uma vez a festa.

Na Bahia, a decisão aconteceu em dezembro, quando o governador Rui Costa (PT) cancelou o Carnaval argumentando ser importante ter "responsabilidade com a saúde e a vida das pessoas".

Em janeiro, foi a vez de Rio de Janeiro e São Paulo anunciarem o cancelamento do Carnaval de rua. As duas capitais decidiram, porém, manter o desfile das escolas de samba, adiando a festa para o dia 21 de abril.

Já em fevereiro, o governo de Pernambuco proibiu a realização de festas públicas ou privadas de Carnaval durante o período de 25 de fevereiro a 1° de março.

Para entender como é passar mais um ano sem a folia, Folha ouviu artistas e anônimos, passando por ambulantes e presidentes de blocos de rua de São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Recife e Olinda. São perfis variados, mas que compartilham dois sentimentos em comum --o amor pelo Carnaval e a frustração de não poder aproveitá-lo mais um ano.

SALVADOR

"Chegamos a mais um ano sem essa possibilidade de fazer o Carnaval acontecer nas ruas, por uma questão de cuidado com o outro que é também um autocuidado. Precisamos ouvir o que a ciência diz. E ela nos pede calma. Não é uma calma fácil de ser compreendida e executada, porque o tempo sim, zás -- essa velocidade que queremos das respostas que dançam nos tempos, mas que precisamos fazer mais silêncio para conseguir escutar como a música respira em nós"

Carlinhos Brown cantor e compositor

"Uma hora dessas estaria todo mundo alegre, na correria para começar o trabalho no Carnaval. No trio elétrico, a gente trabalha com toda a atenção. Mas também curte, é uma alegria só. Sem a festa, infelizmente, muita gente vai ficar sem ganhar o seu. Além de ser uma tradição da cidade, o Carnaval gera muito emprego. Fico triste, mas entendo que é uma questão de segurança"

Luiz Carlos Brito motorista de trio elétrico

"O Carnaval é uma festa que se tornou um momento em que o brasileiro se expressa, mostra sua espontaneidade, sua criatividade, nossa cultura. Mas é um momento de pandemia, a gente tem que ter essa responsabilidade. É claro que a gente está sentido, porque é o nosso momento de trabalho, o momento que gente encontra os nossos fãs"

Margareth Menezes cantora

RIO DE JANEIRO

"Não ter Carnaval de rua mais um ano é muito triste por conta de todo o ecossistema que ele sustenta. É uma cadeia muito grande de profissionais, passando por catador de lata, hotelaria, comércio e artistas. É muita perda financeira. Mas é necessário [em razão da pandemia]. É quando a gente se mostra humano. O artista é essencialmente humano. Ter empatia e a compreensão de que é um sacrifício pelo coletivo dá uma sensação de que estamos nessa juntos. Não é sobre mim ou sobre você. É sobre todos nós. Então, não ter Carnaval é uma maneira de proteger muita gente. Estamos fazendo um sacrifício para que, no futuro, a gente possa voltar a se abraçar e a carnavalizar"

Preta Gil cantora

"Não ter bloco é complicado. A gente quer estar na rua, ocupar o espaço público e se divertir. Os blocos trazem esse aspecto democrático da manifestação política, de estar ali com pessoas diferentes, de várias classes sociais. Não ter Carnaval de rua é bem triste não só para a gente, mas também para os ambulantes, que vão ficar sem vender. Em evento fechado não tem como. Eu não sou contra esses eventos, devo até tocar neles, mas o problema é que acaba acontecendo uma elitização do Carnaval. Vai quem tem dinheiro, quem tem grana"

Vitor Mazzeo sociólogo e saxofonista de bloco

"Passar o segundo ano sem o Carnaval de rua é muito difícil. A gente vive disso. Nessa época do ano, a gente já estava faturando alguma coisa, mas agora está bem difícil. Hoje mesmo, aqui na praia, eu não consegui arrumar R$ 20. Só de passagem, eu gasto para ir e vir R$ 30, ou seja, gasto mais do que faturo. Em quatro dias de bloco, eu voltava para casa com R$ 3.000, R$ 4.000. Sem os blocos vai ser bem difícil. Foi perda total para a gente. Com essa ausência dos blocos, dificulta não só a minha vida, mas a vida de mais de 3.000 camelôs. Chegar em casa sem renda e sem poder levar o filho a um parque de diversões é muito triste"

Douglas Cardoso de Carvalho vendedor ambulante

"A gente nunca imaginou que fosse ficar dois anos sem Carnaval de rua. A gente está numa tristeza enorme. É uma sensação de que está faltando alguma coisa, de uma ausência muito grande. Todo mundo brinca que o ano só começa depois do Carnaval, porque, de fato, é um marco. É quando a gente distensiona e vive aqueles dias todos com uma extrema alegria. Passar dois anos sem isso tudo faz um mal danado para a nossa saúde mental e para a nossa esperança. Eu espero que seja o último ano. Quando o Carnaval de rua puder voltar, eu imagino que vai ser uma grande catarse, um momento de muita alegria e de muito encontro. Vai entrar para a história"

Rita Fernandes presidente da Sebastiana, a associação de blocos de rua do Rio 

RECIFE/OLINDA

"É muito difícil falar sobre esse assunto para a gente que vive de Carnaval e para o Carnaval. Praticamente nasci, fui criada no Carnaval, minha mãe também foi cantora de Carnaval. Uma coisa inimaginável o que a gente passou ano passado, foi difícil para caramba e nos levantamos e nos preparamos esperando que chegasse o outro ano e esse outro ano chegou e mais uma vez nos deparamos com a impossibilidade de fazer o que a gente mais ama. Não podemos ir para ruas, palcos, trios, infelizmente. Não é só financeiramente que é problemático para todos nós, mas emocionalmente também, porque fica faltando um pedaço da gente, que fica ali agoniado, angustiado, amortecido à força. E é muito difícil. A gente não sabe o que descrever, mas aí a gente se enche de esperança e tenta fazer um Carnaval diferente, da maneira que a gente puder para não deixar que essa alegria do Carnaval se perca das pessoas e de nós também, e se preparar para o próximo ano. Porque o Carnaval está dentro da gente antes de tudo"

Nena Queiroga cantora

"Em 2022, iríamos para a décima quarta edição da exibição dos bonecos, que ocorre em períodos de Carnaval e de Copas do Mundo. Mesmo com a pandemia, permanecemos criando os novos bonecos. Então, a gente sempre tem estado atual. Não fomos muito afetados. Não vai haver esse Carnaval, mas acho que é um momento que a gente tem de ter mais tranquilidade para em 2023 voltar com a alegria de todos"

Leandro Castro integrante da Embaixada dos Bonecos de Olinda

"É uma situação atípica e triste. Para quem está acostumado com a agitação, com todo o planejamento e toda a mobilização que a gente faz para colocar o Galo da Madrugada na rua, é uma sensação de tristeza e impotência. Nesse momento, a gente estaria no auge da agitação de todo o processo e estar assim parado, sem fazer quase nada, é muito triste. Realmente, é péssima essa sensação. Principalmente porque você não está ligado com as uniões, com a realidade do povo, com o anseio que o povo de querer brincar o Carnaval e não estamos podendo promover isso"

Rômulo Menezes presidente do Galo da Madrugada 

SÃO PAULO

"Desde o princípio da pandemia, eu e meus colegas mais próximos respeitamos tudo que foi determinado pelo poder público. Conseguimos tocar em alguns momentos no começo de 2021 e voltamos para casa quando disseram que não dava mais. Eu não tenho conhecimento técnico para rebater decisões sanitárias, mesmo agora quando parecem estranhas ou contraditórias. O que eu realmente sei e posso dizer é o quanto os profissionais ligados ao setor cultural são absolutamente preteridos pelo poder público. Nisso aí você inclui não só artistas, mas produtores, técnicos, roadies, chegando até quem faz a faxina dos lugares onde a gente toca. Todos, salvo raríssimas exceções, foram esquecidos e ainda estão no perrengue, muita gente abraçou outras profissões no meio do caminho para sobreviver. O que eu mais penso é como vai estar o cenário cultural quando a pandemia acabar de fato. Os artistas grandes, esses estão garantidos, ganham bom dinheiro com royalties, têm patrocínios, investimento de gravadora etc. E os artistas médios e pequenos? Quem pensa neles?

Thiago França músico e fundador do bloco A Espetacular Charanga do França

"É realmente muito triste passarmos mais um ano sem o Carnaval, sem poder colocar o nosso bloco na rua. Mas diante do cenário de infecção nos dois primeiros meses do ano, o mais prudente foi mesmo o cancelamento. Esperamos desfilar tranquilamente e novamente ocupar as ruas em 2023. Como diz o nosso lema de 2022: Vai passar! "

Alê Natacci presidente do Bloco Acadêmicos do Baixo Augusta

"Para o Ilú Obá De Min, é um segundo ano de um Carnaval de ausências. Ausência do bloco na rua, criando a mais tradicional Ópera Negra de tambores ancestrais tocados exclusivamente por mulheres, ausência de responsabilidade política na gestão de toda a pandemia até aqui e ausência de políticas de auxílio aos blocos de rua, que são o coração do Carnaval paulistano. O Ilú Obá de Min reconhece que o Carnaval é uma cultura negra. E de maioria de mulheres negras é composto o bloco e seu público. Por isso, em mais este ano, optamos por não colocar nossas integrantes e nosso público em risco. Reconhecemos também que a rua é o coração do Ilú Obá De Min, mas o bloco não é feito só de rua. Nossa instituição não paralisou suas atividades em nenhum momento, elaborando diversas ações de apoio às nossas integrantes e à comunidade, como distribuição de cestas básicas, auxílio financeiro e psicológico. Defendemos que somos parte importante do patrimônio cultural da cidade com um Carnaval grandioso, que atrai cerca de 50 mil pessoas e que nossos valores não combinam com um Carnaval privatizado que está se organizando pela cidade"

Daiane Pettine coordenadora do bloco Ilú Obá de Min