|
  • Bitcoin 101.558
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 18/01/2022, 08:09

Embaixador do Brasil nos EUA busca se aproximar de estados após tensão com Congresso

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 18 de janeiro de 2022

RAFAEL BALAGO
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

WASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) - O embaixador do Brasil em Washington, Nestor Forster, tem apostado em se aproximar de governos e entidades estaduais dos Estados Unidos, em uma estratégia para melhorar a interlocução e desviar da pressão que o Brasil tem sofrido no Congresso americano. Vários parlamentares têm feito críticas fortes ao presidente Jair Bolsonaro (PL) e pedido por um esfriamento na relação entre os dois países.

Nos últimos meses de 2021, Forster fez ao menos quatro viagens. O diplomata alternou idas a estados governados por democratas (como Connecticut e Carolina do Norte) com áreas sob comando republicano (caso de Carolina do Sul e Geórgia), mas é nestes últimos que ele tem obtido mais resultados.

Na Carolina do Sul, por exemplo, o embaixador assinou um memorando de entendimento para ampliar o comércio e a troca de investimentos entre o estado e o Brasil, no final de outubro --em 2020, negociações entre os dois movimentaram US$ 910 milhões. Foi o primeiro termo do tipo já fechado com um ente subnacional dos EUA. "Continuaremos a trabalhar juntos no comércio e nos investimentos e a fortalecer nossa parceria", disse o governador republicano Henry McMaster, ao assinar o documento.

Crítico do presidente Joe Biden, McMaster tem combatido as determinações de vacinação obrigatória impostas pela Casa Branca para controlar a pandemia de coronavírus. A Carolina do Sul foi um dos estados que processaram o governo federal e conseguiram barrar a exigência na Justiça.

"Estamos chocados com os excessos do governo Biden. Nunca vi um presidente agir além da lei como esse. Nenhum morador da Carolina do Sul deveria ter de escolher entre seu emprego e uma vacina contra a Covid-19", disse o governador, em novembro. Ele também assinou um decreto para proibir órgãos estaduais de exigir a vacinação de funcionários.

O republicano se coloca ainda como defensor de pautas conservadoras. Pediu publicamente ao superintendente de educação do estado que investigue denúncias de livros com "trechos obscenos" em bibliotecas de escolas públicas; como exemplo, citou queixas de pais sobre a obra "Gender Queer: A Memoir", de Maia Kobabe, livro em quadrinhos sobre transição de gênero. Ele também defende que a Suprema Corte revogue o direito ao aborto.

Na vizinha Geórgia, cujo governo também processou a Casa Branca para suspender as exigências de vacina, Forster se encontrou com representantes dos departamentos estaduais de Agricultura e Desenvolvimento, no começo de novembro.

Pat Wilson, comissário do Departamento de Desenvolvimento Econômico, disse à reportagem ter ficado honrado com a visita do embaixador. Segundo ele, a relação do estado com o Brasil vem de longa data, pois a Geórgia tem um escritório em São Paulo há 25 anos. "Um grande número de empresas brasileiras emprega milhares de georgianos. Negócios da Taurus [fabricante de armas], da Guidoni [de extração de rochas ornamentais] e da Embraer [aviação] se tornaram parte importante da nossa comunidade", disse.

Já em estados sob comando democrata, como Carolina do Norte e Connecticut, a agenda do embaixador se concentrou em visitas a fábricas --como a da Gerdau--, universidades e centros de pesquisa locais. "Assim como o Brasil, os EUA são um país complexo, de grande diversidade regional, e é importante que a embaixada busque ampliar sua presença junto a comunidades locais", disse Forster.

As visitas fazem parte de um plano para ampliar a interlocução do Brasil com estados americanos e buscar mais parceiros fora de Washington. A determinação foi encorajada por Bolsonaro, que antes da pandemia também fez visitas aos EUA em cidades afastadas da capital.

O presidente esteve na Flórida em 2020 e um ano antes foi ao Texas --nesta última viagem, para receber um prêmio que seria entregue inicialmente em Nova York, mas teve a cerimônia alterada após pressão pública do prefeito democrata Bill de Blasio, para que Bolsonaro não fosse à cidade. Os movimentos buscavam também reforçar o alinhamento com o ex-presidente Donald Trump; o brasileiro fez campanha aberta pela reeleição do republicano, que acabou derrotado por Biden em novembro de 2020.

Para Fernanda Magnotta, pesquisadora do Cebri (Centro Brasileiro de Relações Internacionais), essa atuação de Forster pode ser parte de um novo cenário global, no qual líderes locais ampliam a atuação internacional, e também uma resposta às ações recentes de governadores brasileiros. "Eles tomaram a frente na importação de vacinas e buscando protagonismo em agendas como a do ambiente. Em Glasgow [na COP26], havia a delegação brasileira e representantes dos estados, muitas vezes dissonantes", avalia.

Funcionários da embaixada também esperam que as viagens estaduais ajudem a fortalecer as relações com parlamentares americanos no Congresso. Forster teve reuniões recentes com o senador republicano Lindsey Graham, da Carolina do Sul, e com o deputado democrata Bill Keatind, de Massachussets.

O governo brasileiro tem sido alvo de fortes críticas no Congresso dos EUA. Desde setembro, nomes democratas do Capitólio mandaram ao menos três cartas ao governo Biden, pedindo um distanciamento na relação entre os dois países. Na mais recente delas, do começo de dezembro, oito senadores democratas pediram um "reset" diplomático e acusaram Bolsonaro de ser responsável pela alta no desmatamento no Brasil e por ameaçar a democracia no país.

Como mostrou o jornal Folha de S.Paulo, os textos se inserem em um contexto de pressão feita por ativistas e grupos progressistas do partido do presidente americano.

O embaixador respondeu aos críticos do governo brasileiro, também com cartas, nas quais defendeu as ações de Bolsonaro e chegou a dizer que parlamentares americanos estavam mal informados.