|
  • Bitcoin 144.334
  • Dólar 4,8307
  • Euro 5,1558
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 22/03/2022, 13:26

Dólar cai a R$ 4,90 e Bolsa atinge maior valor desde setembro

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 22 de março de 2022

CLAYTON CASTELANI
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar comercial recuou à casa dos R$ 4,90 em sua cotação mínima na manhã desta terça-feira (22), enquanto o índice de referência da Bolsa de Valores alcançava a maior pontuação desde o início de setembro do ano passado.

Ações excessivamente desvalorizadas e possibilidade de ganhos no setor de commodities tornam a Bolsa do Brasil atrativa para investidores domésticos e estrangeiros.

A renda fixa também desponta como uma das mais interessantes do mundo. A razão para isso é a relação entre a taxa básica de juros (Selic), atualmente em 11,75%, consideravelmente acima da perspectiva de inflação para este ano, que está na casa de 6,5%.

Às 12h17, moeda americana recuava 0,24%, a R$ 4,9320. Mais cedo, havia caído a R$ 4,9060. Na véspera, o dólar comercial caiu 1,45%, fechando a sessão a R$ 4,9440 na venda. Essa foi a menor cotação desde 29 de junho do ano passado.

Neste ano, o real apresenta a maior valorização frente à divisa americana, quando comparado a outras moedas de países emergentes. O retorno à vista da moeda brasileira está em quase 13% no acumulado de 2022, segundo dados compilados pela Bloomberg.

No mercado doméstico de ações, o Ibovespa subia 0,98%, a 117.302 pontos. Caso mantenha essa pontuação até o fechamento, o principal índice da Bolsa alcançará o seu maior valor desde o início de setembro de 2021.

O setor de finanças estava entre os mais valorizados da Bolsa nesta terça. Os bancos Bradesco e Itaú subiam 1,71% e 1,44%, respectivamente, exercendo o maior peso positivo sobre o Ibovespa.

Étore Sanchez, economista-chefe da Ativa Investimentos, avalia que o comunicado do Banco Central nesta manhã reforça a perspectiva de que a taxa Selic chegará a 13,25% em junho.

Aumentar os juros é a principal ferramenta à mão da autoridade monetária de um país para frear a inflação. Ao tornar o crédito mais caro, o Banco Central desacelera a atividade econômica.

Sanchez pontua que as expectativas de inflação do Banco Central consideram um cenário com o barril do petróleo tipo Brent cotado US$115 (R$ 5,71), "o que atribui um viés hawkish [de elevação agressiva dos juros] para o futuro da condução da política monetária", comentou.

Nesta terça, a cotação do Brent estava em US$ 115,19 (R$ 572,03), uma queda de 0,37%. No dia anterior, porém, a commodity havia avançado 7,12%.

Diante da persistência da Rússia em manter ataques à Ucrânia, países da União Europeia ameaçam seguir os Estados Unidos e impor restrições à importação da matéria-prima produzida pelos russos.

Nos Estados Unidos, os índices Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq subiam 0,67%, 1,06% e 1,94%.

As altas demonstravam investidores dispostos a tomar risco mesmo após o presidente do Fed (Federal Reserve, o banco central americano), Jerome Powell, ter reforçado a intenção da autoridade monetária em acelerar a alta de juros para que o país tente frear a maior inflação em quatro décadas.