|
  • Bitcoin 102.000
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 04/03/2022, 22:53

Desafeto de Mamãe Falei, padre Julio diz que áudios são ofensivos a todas as mulheres

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 04 de março de 2022

FÁBIO ZANINI
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Alvo de críticas de Arthur do Val (Podemos) nos últimos anos, o padre Júlio Lancellotti reagiu com indignação aos áudios atribuídos ao deputado a respeito das mulheres ucranianas durante conversa com o deputado estadual Paulo Fiorilo (PT), de quem é próximo.

À reportagem, o padre diz que é necessário que a autenticidade dos áudios seja comprovada, já que atualmente existem muitas fake news, mas que o conteúdo das gravações é ofensivo a todas as mulheres, ainda mais tão perto do Dia Internacional da Mulher (8 de março).

"Qualquer consideração sobre a mulher deve ser respeitosa. Dizer que as ucranianas são fáceis porque são pobres é ofensivo não só para as ucranianas, mas para todas as mulheres. Um cavalheiro, como é o deputado, não falaria uma coisa dessas", afirma Lancellotti.

O padre é conhecido pelo trabalho que realiza junto à população de rua de São Paulo e já protagonizou cenas como a de quebrar a marretadas pedras colocadas pela prefeitura em um viaduto na zona leste de São Paulo como medida para evitar moradores de rua.

Arthur do Val, conhecido como Mamãe Falei, passou a se referir ao padre como "cafetão da miséria" e a dizer que seu trabalho com a população de rua era nocivo no final de 2020.

À época, Lancellotti registrou um boletim de ocorrência após ter sido xingado por um motoqueiro enquanto fazia trabalho de atendimento a moradores de rua e disse que havia começado a se sentir ameaçado após os ataques do parlamentar.

A Justiça eleitoral determinou que o deputado excluísse posts em que "caluniava, difamava e injuriava" o padre com objetivo de se tornar mais conhecido, segundo a decisão.

Arthur do Val, o Mamãe Falei, viajou ao leste europeu na companhia de Renan Santos, líder do MBL (Movimento Brasil Livre), com a justificativa de que ajudariam a população ucraniana.

Nos áudios, o pré-candidato ao Governo de São Paulo teria afirmado que as ucranianas são "fáceis" de pegar por serem pobres —e que a fila de refugiados da guerra tem mais mulheres bonitas do que a "melhor balada do Brasil".