|
  • Bitcoin 150.000
  • Dólar 4,9391
  • Euro 5,2057
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 14/03/2022, 18:00

Deputado que acusou filme de pedofilia já ensinou a depilar o ânus em vídeo

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 14 de março de 2022

JOÃO PERASSOLO
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O deputado estadual pelo Ceará André Fernandes, que começou no domingo a polêmica envolvendo o filme "Como Se Tornar o Pior Aluno da Escola", acusando o longa de pedofilia, já fez vídeos no YouTube ensinando a depilar o ânus e simulando que cheira cocaína.

Fernandes se define como conservador, bolsonarista e armamentista em seu perfil no Twitter.

No vídeo da depilação, Fernandes se ajoelha sobre um espelho e mostra como passa água, sabonete e um creme de barbear entre as pernas. Ele aconselha que os espectadores não façam isso com frequência. "Façam isso uma vez por mês que já está supimpa."

O pó branco do outro vídeo era sal, segundo ele.

No ano passado, o deputado publicou em seu canal no YouTube um vídeo no qual faz piada com seus próprios vídeos antigos. Ele se justifica dizendo que, quando tinha 14 ou 15 anos, era adolescente e youtuber.

Segundo ele, as pessoas que divulgam esses vídeos querem difamar seu nome.

O filme "Como Se Tornar o Pior Aluno da Escola" está no centro de uma polêmica após o secretário especial da Cultura, Mario Frias, afirmar que o longa, lançado nos cinemas em 2017 e que chegou à Netflix em fevereiro, faz apologia do abuso sexual infantil.

Frias divulgou uma cena em que o personagem interpretado por Fábio Porchat instiga dois garotos menores de idade a pararem de discutir e pede que o masturbem. As crianças reagem com surpresa, negando o pedido.

"O que é isso, preconceito nessa idade? Isso é supernormal, vocês têm que abrir a cabeça de vocês", diz o personagem de Porchat, que em seguida abre a braguilha da calça e puxa a mão de um dos meninos em direção a ela.

A comédia tem classificação indicativa de 14 anos, ou seja, está dentro das normas do governo Bolsonaro e segue as diretrizes do Ministério da Justiça para a classificação indicativa de obras audiovisuais.