|
  • Bitcoin 144.436
  • Dólar 4,8801
  • Euro 5,1549
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 22/02/2022, 14:00

Defesa de Flávio se diz surpresa com investigação da Receita sobre 'rachadinha'

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 22 de fevereiro de 2022

RANIER BRAGON
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A defesa do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) divulgou nota nesta terça-feira (22) afirmando ter recebido com surpresa a notícia de que a Receita Federal realizou uma apuração interna em decorrência da acusação do filho do presidente de que teria sido vítima de devassa ilegal de seus dados fiscais.

Nesta terça, o jornal Folha de S.Paulo revelou processo que mostra que o Fisco deslocou cinco servidores, por quatro meses, para apurar as suspeitas levantadas pelo senador.

Na nota, as advogadas Luciana Pires e Juliana Bierrenbach afirmam que a Receita tinha informado que não faria a apuração.

"A defesa do senador Flávio Bolsonaro recebeu, com surpresa, a notícia de que essa investigação foi realizada mesmo depois de a Receita Federal ter informado que não a faria. Até o momento, a instituição não apenas negou o pedido dos advogados como omitiu a realização de tal procedimento", dizem as advogadas.

Elas afirmam ainda que o Ministério Público Federal abriu inquérito civil "para apurar o motivo da inércia da Receita Federal frente aos indícios apresentados pelos advogados".

Em agosto do ano passado, a Polícia Federal também instaurou um inquérito para apurar supostos acessos irregulares a dados fiscais de autoridades

A apuração foi aberta a partir de um relatório elaborado pelo TCU (Tribunal de Contas da União) que apontou que a Receita identificou ao menos oito casos de acessos indevidos a dados fiscais de contribuintes entre 2018 e 2020, sendo seis deles pessoas politicamente expostas. O documento menciona, entre os alvos, o senador Flávio Bolsonaro.

Na nota desta terça, as advogadas dizem ainda ser importante ressaltar que "não há nada de ilegal ou imoral na solicitação da defesa" à Receita, afirmando que "estranho seria se a instituição ignorasse suspeitas de falhas e irregularidades internas e permitisse que essas irregularidades prosperassem".

"A defesa lembra ainda que o TCU identificou acesso indevido aos dados do senador Flávio Bolsonaro e de seus familiares, confirmando as suspeitas de que a máquina pública foi usada indevidamente para atacar a reputação do parlamentar."

Desde o ano passado a defesa do senador argumenta que seus dados fiscais foram acessados ilegalmente para fornecer informações ao Coaf, órgão de inteligência financeira que apontou as movimentações suspeitas de seu ex-assessor Fabrício Queiroz.

O documento do Coaf é o pivô da apuração do caso das "rachadinhas".