|
  • Bitcoin 124.262
  • Dólar 5,0741
  • Euro 5,2058
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 27/02/2022, 14:06

Defensores de ilha que viraram símbolo da guerra na Ucrânia podem estar vivos

PUBLICAÇÃO
domingo, 27 de fevereiro de 2022

IGOR GIELOW
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

MOSCOU, RÚSSIA (FOLHAPRESS) - Os soldados que desafiaram o poderio militar de Vladimir Putin mandando um navio militar russo "se f..." e morreram como heróis, como disse o presidente ucraniano, Volodimir Zelenski, podem estar vivos.

Foi o que admitiu a Guarda de Fronteira da Ucrânia neste domingo (26), com base em informações inicialmente divulgadas na imprensa russa.

O episódio foi celebrado em Kiev e no Ocidente como um símbolo da resistência ucraniana ante a invasão de forças russas, iniciada na quinta (24). "Todos os guardas de fronteira morreram heroicamente, mas não se entregaram", disse com pompa o midiático Zelenski, que antes de vencer a eleição presidencial de 2019 havia feito carreira como comediante na TV do país -seu papel mais famoso foi o de um professor ingênuo que virava presidente.

Segundo uma gravação do sistema de rádio da pequena Ilha da Cobra, 300 km a oeste da Crimeia anexada por Putin em 2014, um navio russo se aproximou da pequena guarnição com 13 soldados. Exigiu sua rendição, recebendo a resposta: "Navio de guerra russo, vá se f...".

O xingamento virou uma bandeira nacional na guerra. Sinais eletrônicos em rodovias nas regiões invadidas por veículos militares russos passaram a veicular a mensagem, hashtags foram criadas, o pacote todo.

O grupo, disse a Guarda, pode estar preso em Sebastopol, a sede da Frota do Mar Negro da Marinha russa, na Crimeia. Até agora, ninguém viu fotografias ou imagens deles para comprovar, contudo. Se confirmado o destino dos soldados, não será exatamente um constrangimento, mas um sintoma típico de guerras.

Historicamente, há exageros em todo conflito para fins de propaganda, como a encenação da colocação da bandeira americana sobre a devastada ilha japonesa de Iwo Jima em 1945. A vitória militar era real, mas a cena da conquista, não, como mostrou em 2006 no díptico cinematográfico "A Conquista da Honra" e "Cartas de Iwo Jima" o diretor americano Clint Eastwood.

No conflito atual, o maior em solo europeu desde o fim da Segunda Guerra Mundial (1939-45), já havia aparecido também outra figura constante no campo militar: a lenda urbana.

No caso, voadora. Trata-se do Fantasma de Kiev, um suposto piloto de MiG-29 que teria abatido seis caças russos, inclusive dois moderníssimos Su-35S, no primeiro dia da batalha. As redes sociais ucranianas ferveram com supostas imagens do avião, um modelo soviético não dos mais atualizados.

Páginas criadas por fãs surgiram e até um vídeo do caça derrubando com um míssil um rival enfim apareceu -só para ser identificado como o trecho de um videogame bem realista. A Força Aérea ucraniana ainda tem alguma capacidade de combate, apesar de ter tido 14 bases destruídas até aqui, mas não é algo aferível.