|
  • Bitcoin 123.980
  • Dólar 5,0741
  • Euro 5,2058
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 08/03/2022, 15:39

Conheça a origem de 'Maria Maria', tocada em ato do Dia da Mulher com Bolsonaro

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 08 de março de 2022


AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma canção se destacou no pot-pourri apresentado pela banda marcial do Batalhão da Guarda Presidencial na cerimônia de hasteamento da bandeira no Palácio da Alvorada desta terça (8). Foi "Maria Maria", tocada pela banda em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, comemorado na data.

Uma das muitas parcerias bem-sucedidas entre Milton Nascimento e Fernando Brant, a música foi composta para o espetáculo que lançou o Grupo Corpo em 1976 e incluída no LP "Clube da Esquina 2", de 1978. E, segundo contou Milton ao jornal O Estado de São Paulo em 2018, foi inspirada numa Maria real, que Brant conheceu.

"Ela morava na beira dos trilhos, em Minas Gerais, criava os filhos sozinha e passava muita dificuldade. E mesmo com tanto sacrifício ela fazia de tudo para manter os filhos na escola. Ela era um exemplo, uma aula de vida mesmo, sabe? Uma aula de vida. E foi isso que inspirou a gente", afirmou Milton na ocasião.

A letra usa as qualidades desta Maria em particular para descrever a força feminina como um todo. E foi definida pelo crítico do New York Times Jon Pareles como um "hino brasileiro", incluído numa playlist do essencial da MPB publicada pelo jornal americano às vésperas das Olimpíadas de 2016.

Como muitos integrantes da classe artística, Milton se declara contra o governo. Ao se vacinar, em abril do ano passado, postou nas redes sociais a frase "viva a ciência, viva o SUS e fora, Bolsonaro".

Em uma entrevista feita ao jornal Folha de S.Paulo meses depois, descreveu o presidente como um "completo incompetente". "É preciso muita força, muito amor e muita esperança para atravessar esse momento tão sombrio", disse então.

Além do próprio Jair Bolsonaro, participaram do evento desta terça (8) a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, e a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves.