Coiote abandona menina de 7 anos na fronteira dos EUA


GUARULHOS, SP (FOLHAPRESS) - Agentes americanos encontraram na última terça-feira (12) uma menina de 7 anos abandonada por um coiote na fronteira entre os Estados Unidos e o México. As imagens da criança nas costas de um homem descendo o muro com uma corda e, depois, sendo deixada sozinha foram capturadas pelo sistema de vigilância.

De acordo com informações do Serviço de Alfândegas e Proteção das Fronteiras (CBP, na sigla em inglês), a menina é natural de El Salvador. Ela foi localizada na cidade californiana de Calexito e encaminhada para o centro de processamento de migrantes de El Centro.

Os agentes informaram que assistiram à cena ainda quando o homem descia o muro com a menina, mas preferiram aguardar até que ela estivesse em segurança, no solo, para não criar pânico ou feri-la.

Em um comunicado, o chefe local do serviço de fronteiras, Gregory K. Bovino, afirmou que "os contrabandistas sempre verão as crianças como uma mercadoria para obter lucro, desconsiderando a segurança e o bem-estar." "Ninguém, muito menos uma criança de qualquer idade ou raça, deve ser exposto aos perigos de cruzar ilegalmente a fronteira para este país."

Cenas de crianças sendo abandonadas na fronteira americana com o México não são incomuns. Em abril, o sistema de segurança de Santa Teresa, no estado do Novo México, registrou duas irmãs sendo jogadas por cima do muro. Elas são equatorianas e, à época, uma tinha três anos, e a outra, cinco.

Também se multiplicam os casos em que agentes da patrulha encontram crianças abandonadas na fronteira. A situação vai ao encontro daquele que é considerado o maior fluxo na divisa dos EUA com o México em duas décadas.

Os números ilustram o cenário: somente no mês de agosto, 18.847 crianças desacompanhadas cruzaram a fronteira. O número é cinco vezes maior que o registrado no mesmo mês em anos anteriores -foram 3.100 em agosto de 2020 e 4.119 em 2019.

No ano fiscal de 2021 (de outubro de 2020 a agosto deste ano) o número de crianças desacompanhadas passou de 132.600, volume superior ao registrado no ano fiscal de 2019 --80.600. Em 2020, em parte devido à pandemia de coronavírus, o número total foi menor, de 33.200.

O presidente Joe Biden, que outrora prometeu reverter as políticas anti-imigratórias de Donald Trump, vem sendo criticado pela continuidade de duras medidas, como a que facilita a expulsão imediata de pessoas que tentarem entrar no país violando restrições de viagens ou de forma ilegal, sem permitir que busquem asilo.

Autoridades americanas e mesmo agentes da fronteira atribuem à medida, conhecida como Título 42, uma alavanca para o alto fluxo na fronteira, já que ela estaria impulsionando os casos de pessoas que cruzam a fronteira várias vezes para tentar escapar da captura.

Apenas entre os meses de maio e junho, mais de 2.800 bebês e crianças brasileiras com até seis anos de idade atravessaram irregularmente a fronteira e acabaram detidas pelo serviço de migração, como mostrou reportagem da BBC Brasil. Doze delas entraram no país sem a companhia dos pais ou de algum responsável legal.

Os Estados Unidos estimam que, no total, 184 mil crianças migrantes desacompanhadas cheguem à divisa com o México neste ano.

Uma das áreas de maior preocupação para a administração de Biden são os países do triângulo norte da América Central (El Salvador, Honduras e Guatemala), cujos moradores, impulsionados pela violência, pela desigualdade social e pelas mudanças climáticas, cada vez mais têm migrado em caravanas para os EUA.

O crescente número de crianças migrando para o país potencializa ainda as críticas à situação dos abrigos para imigrantes, considerados inadequados para adultos e, especialmente, para bebês e crianças.

A organização não governamental Save the Children tem denunciado que milhares de crianças seguem sendo mantidas em centros de processamento por mais tempo do que as 72 horas permitidas por lei.

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Últimas notícias

Continue lendo