|
  • Bitcoin 102.802
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 24/02/2022, 08:08

China evita criticar Rússia, e relação entre Putin e Xi será cobrada

PUBLICAÇÃO
quinta-feira, 24 de fevereiro de 2022

IGOR GIELOW
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

MOSCOU, RÚSSIA (FOLHAPRESS) - Aliada estratégica do governo de Vladimir Putin, a China se viu em uma complicada situação diplomática com o ataque russo à Ucrânia.

No Conselho de Segurança das Nações Unidas, em que Pequim tem assento permanente ao lado de Moscou e da trinca ocidental Washington, Londres e Paris, o embaixador do país apenas pediu calma a todos os envolvidos na crise.

"A situação em Ucrânia está num momento crítico e a China está muito preocupada. Todas as partes devem exercitar cautela e evitar uma escalada maior de tensões. Acreditamos que a porta de uma solução pacífica não está fechada", disse o embaixador Zhang Jung.

Ele não citou a palavra Rússia, ou guerra, ou invasão, e não comentou o reconhecimento das regiões rebeldes de Donetsk e Lugansk, um dos fatores que dispararam os eventos desta quinta (24).

Já em Pequim, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores Hua Chunying, foi na mesma linha. Questionada por uma repórter americana se Pequim considerava que a ação de Putin era uma invasão, ela não respondeu.

A situação é complicada para Xi Jinping. O líder chinês havia dado seu apoio a Putin quando o russo emitiu um ultimato ao Ocidente para resolver a questão ucraniana em seus termos, visando tolher a expansão da Otan (aliança militar liderada por Washington) no antigo espaço soviético.

Xi inclusive falou que ambos os países deveriam agir conjuntamente contra as pressões do Ocidente. Desde 2017, a Guerra Fria 2.0 lançada pelos EUA para conter a assertividade chinesa opôs as potências em praticamente todos os temas, da pandemia à autonomia de Hong Kong, passando pelas alianças militares americanas no Indo-Pacífico.

Ambos foram além, encontrando-se na abertura dos Jogos de Inverno de Pequim, que acabaram no domingo (20). Lá, formalizaram uma aliança que na prática colocou Putin oficialmente do lado de Xi no embate com Washington.

Só que, além de não ser uma união militar, a China não é a Rússia, país largamente distante do sistema financeiro ocidental, com a notável exceção dos negócios energéticos na área de gás e petróleo, onde Alemanha, França e outros potenciais adversários são seus sócios.

Já Pequim, por toda a animosidade com o Ocidente, tem uma interconexão enorme com mercados e empresas americanas e europeias. Agora, a ligação de Xi com Putin será colocada a teste onde pode doer para a China: o bolso.